July 31, 2019 / 10:21 PM / 22 days ago

REPERCUSSÃO - Copom corta Selic em 0,50 p.p. e sinaliza nova redução

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central reduziu nesta quarta-feira a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, a uma nova mínima histórica de 6% ao ano, e indicou que o processo de afrouxamento poderá seguir adiante. Este foi o primeiro corte na Selic desde março de 2018, quando a taxa passou de 6,75% para 6,5%.

16/05/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

Veja comentários de profissionais do mercado:

FLÁVIO SERRANO, ECONOMISTA-CHEFE, HAITONG BRAZIL

“Basicamente o Copom deixou a porta aberta para cortar na próxima reunião (em setembro). Ele não se compromete, mas ressalta que no geral você precisa de algum grau adicional de estímulo monetário. A decisão surpreendeu menos pelo corte de 50 pontos-base e mais porque, no caso de uma redução de 50 pontos-base, o BC poderia adotar um discurso mais comedido, e não foi o que aconteceu. O cenário pode permitir corte de mais de 100 pontos-base no total.”

CARLOS PEDROSO, ECONOMISTA SÊNIOR, BANCO MUFG BRASIL

“O ponto diferente em relação ao comunicado anterior é justamente a abertura da possibilidade de novos cortes de juros. O Copom não se comprometeu com alívio de 25 pontos-base, nem de 50 pontos-base, mas o cenário com o qual trabalhamos hoje é de continuidade dos cortes da Selic. Os ruídos gerados com a decisão do Fed não mudam o cenário para a política monetária no Brasil, já que continuamos com atividade fraca e inflação abaixo da meta. E até setembro a reforma da Previdência já estará aprovada na Câmara. Ou seja, o balanço de riscos do Copom estará melhor. Estimamos Selic de 5,5% no fim do ano.”

ZEINA LATIF, ECONOMISTA-CHEFE, XP INVESTIMENTOS

“O corte de 50 pontos-base mostra um BC convicto na estratégia. Mas nas últimas semanas o mercado aumentou aposta em corte de 50 pontos-base, então se o BC pensasse em fazer algo diferente teria ajustado essas expectativas, o que não aconteceu. A comunicação do Fed foi conservadora, mas aqui a reforma da Previdência —principal fator do balanço de riscos do BC— foi aprovada em primeiro turno, e não deve haver desidratação relevante, o que mantém impacto fiscal robusto. Por ora, contudo, vou manter minha projeção de Selic a 5% no fim do ano, uma vez que ainda há incertezas.”

ANNA REIS, ECONOMISTA-CHEFE, GAP ASSET MANAGEMENT

“A decisão não nos surprendeu, porque já trabalhávamos com corte de 50 pontos-base. O que surpreendeu foi o comunicado, que achamos um pouco confuso, com elementos ‘dovish’ e ‘hawkish’. Entre os fatores ‘dovish’, as projeções de inflação e as referências a medidas de inflação subjacente confortáveis. Do lado mais cauteloso, o BC manteve no texto a classificação do risco sobre as reformas como preponderante e também manteve a avaliação sobre incertezas externas, apesar de acharmos que o cenário é benigno. O BC não falou em ciclo e escreveu ‘ajuste adicional’, no singular, o que deixa uma pulga atrás da orelha sobre se haverá mais um corte ou mais cortes. Vamos esperar a ata e mantemos expectativa de Selic em 5% no fim do ano.”

Por José de Castro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below