August 23, 2019 / 7:55 PM / 3 months ago

Brasil convida russa Rosatom para evento sobre uso de pequenos reatores nucleares

Logotipo da Rosatom, empresa russa de energia nuclear 22/08/2019 REUTERS/Maxim Shemetov

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério de Minas e Energia do Brasil convidou executivos da estatal russa de energia atômica Rosatom para a realização em conjunto de um evento na segunda-feira que irá discutir o uso no país da tecnologia de pequenos reatores nucleares modulares (SMR, na sigla em inglês).

O movimento da pasta acontece após o ministro Bento Albuquerque, ex-diretor de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, ter afirmado à Reuters em março que pretende avaliar a construção de “pequenas usinas nucleares para atender determinadas demandas em parte do território brasileiro”.

Os reatores nucleares de pequena escala têm “uma série de vantagens específicas”, afirmou o ministério em comunicado sobre o evento nesta sexta-feira, no qual destacou fatores como o menor investimento e prazo de construção frente a empreendimentos nucleares maiores, além de “modularidade e possibilidade de operação em diferentes tipos de redes”.

Em outro documento, com a programação do evento, a pasta de Minas e Energia afirmou que esses reatores “se configuram como uma opção no cumprimento dos novos requisitos do sistema” elétrico, como a necessidade de fontes de geração de baixa emissão, confiáveis e localizadas próximas aos centros de consumo.

Participarão do seminário diversos executivos da Rosatom, incluindo o presidente da companhia para América Latina, Ivan Dybov, além do secretário de Planejamento do ministério de Minas e Energia, Reive Barros, que fará a abertura da conferência.

O ministro Albuquerque afirmou no mês passado que a energia nuclear deverá ganhar espaço nos planos de longo prazo do governo para o setor elétrico, que serão apresentados no chamado Plano Nacional de Energia 2050, que está em preparação e deve ser divulgado no segundo semestre.

A última versão do plano de longo prazo, o PNE 2030, foi concluída em 2011, com a previsão de que o Brasil poderia construir mais quatro usinas atômicas. Mas um incidente na central nuclear japonesa de Fukushima no mesmo ano, após um terremoto e um tsunami, praticamente paralisou as discussões sobre as novas usinas nucleares no Brasil.

Desde então, os planos para a fonte também foram atrapalhados pelas dificuldades para conclusão da usina nuclear de Angra 3, cujo projeto teve início ainda nos anos 80.

Por Luciano Costa; edição de Roberto Samora

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below