August 24, 2019 / 3:06 PM / in 23 days

Atritos emergem com chegada de líderes para cúpula do G7; pauta inclui comércio e clima

BIARRITZ, França (Reuters) - Atritos emergiram entre os países do G7 neste sábado, mesmo antes de seus líderes se reunirem para uma cúpula anual, expondo diferenças profundas sobre assuntos como comércio global, Brexit e resposta aos incêndios na floresta amazônica.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e primeira-dama, Melania, chegam a Biarritz para cúpula do G70 França, 24/08/2019. REUTERS/Carlos Barria

O presidente da França, Emmanuel Macron, anfitrião do evento, planejou o encontro de três dias no balneário de Biarritz como uma chance de unir um grupo de países ricos que lutou nos últimos anos para falar a uma só voz.

Macron definiu uma agenda para o grupo - França, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Itália, Japão e EUA - que inclui defesa da democracia, igualdade de gênero, educação e meio ambiente. Ele convidou líderes asiáticos, africanos e latino-americanos a se unirem para um impulso global sobre essas questões.

No entanto, em uma avaliação sombria das relações entre aliados outrora próximos, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse que está ficando “cada vez mais” difícil encontrar um terreno comum.

“Esta é outra cúpula do G7, que será um teste difícil de unidade e solidariedade do mundo livre e de seus líderes”, disse ele a repórteres antes do encontro de Biarritz. “Este pode ser o último momento para restaurar nossa comunidade política.”

Trump levou a cúpula do G7 do ano passado a um fim deprimente, saindo do encontro no Canadá mais cedo e rejeitando o comunicado final.

Ele chegou à França um dia depois de reprimir uma nova rodada de tarifas chinesas ao anunciar que Washington imporia um imposto adicional de 5% a cerca de 550 bilhões em importações chinesas, na mais recente escalada da guerra comercial das duas maiores economias do mundo.

“Até agora, tudo bem”, disse Trump durante um almoço com Macron, afirmando que os dois têm um relacionamento especial. “Vamos conseguir muito neste fim de semana.”

Macron listou questões de política externa que os dois abordariam, incluindo Líbia, Síria e Coreia do Norte, acrescentando que eles compartilhavam o mesmo objetivo de impedir o Irã de obter armas nucleares.

No entanto, os sorrisos iniciais não conseguiram disfarçar suas abordagens opostas a muitos problemas, incluindo a questão complicada do protecionismo e dos impostos.

Antes de chegar a Biarritz, Trump repetiu a ameaça de taxar vinhos franceses em retaliação ao novo imposto da França sobre serviços digitais, que ele afirma que mira injustamente companhias norte-americanas.

Duas autoridades norte-americanas disseram que a delegação de Trump também estava irritada por Macron ter desviado o foco da reunião do G7 para “questões de nicho” às custas da economia global, que muitos líderes temem que esteja diminuindo drasticamente e correndo o risco de entrar em recessão.

A polícia de choque francesa usou brevemente canhões de água e gás lacrimogêneo neste sábado para dispersar manifestantes anticapitalistas em Bayonne, perto de Biarritz.

Um helicóptero da polícia circulou no alto enquanto dezenas de manifestantes, alguns usando máscaras, provocavam policiais.

BREXIT

Além da dinâmica imprevisível entre os líderes do G7, estão as novas realidades enfrentadas pelo Reino Unido ligadas ao Brexit: influência minguante na Europa e crescente dependência dos EUA.

O novo primeiro-ministro, Boris Johnson, desejará encontrar um equilíbrio entre não alienar os aliados europeus do Reino Unido e não irritar Trump e, possivelmente, comprometer futuros laços comerciais. Johnson e Trump manterão conversações bilaterais no domingo de manhã.

Johnson e Tusk trocaram farpas antes da cúpula sobre quem seria o culpado se o Reino Unido deixasse a UE em 31 de outubro, sem um acordo de saída.

Tusk disse a repórteres que estava aberto a ideias de Johnson sobre como evitar um Brexit sem acordo quando os dois se encontrarem no domingo.

“Ainda espero que o primeiro-ministro Johnson não goste de entrar na história como Sr. sem acordo”, disse Tusk, que lidera a direção política da União Europeia de 28 países.

Johnson, que disse desde que assumiu o cargo no mês passado que tirará o país do bloco em 31 de outubro, independentemente de um acordo ser alcançado, mais tarde respondeu que seria o próprio Tusk quem levaria o manto se o Reino Unido não pudesse. garantir um novo acordo de retirada.

“Eu diria aos nossos amigos da UE se eles não querem um Brexit sem acordo então temos que nos livrar da barreira do tratado”, disse Johnson a repórteres, referindo-se ao mecanismo de apoio irlandês que garantiria que a fronteira entre a Irlanda do Norte e a Irlanda membro da UE permaneceria aberta após o Brexit.

“Se Donald Tusk não quer ser o Sr. sem acordo, espero que esse ponto também seja lembrado por ele”, disse Johnson em seu voo para a França.

‘NÃO É O CAMINHO A SEGUIR’

Apesar das tensões relacionadas ao Brexit, diplomatas minimizaram a probabilidade de Trump e Johnson darem as mãos contra o resto, citando o estreito alinhamento da política externa britânica com a Europa em questões do Irã e do comércio às mudanças climáticas.

“Não haverá um G5 + 2”, disse um diplomata do G7.

De fato, Johnson afirmou que diria a Trump para se afastar de uma guerra comercial que já está desestabilizando o crescimento econômico em todo o mundo.

“Este não é o caminho a seguir”, disse ele. “Além de tudo, aqueles que apoiam as tarifas correm o risco de incorrer na culpa pela desaceleração da economia global, independentemente de isso ser verdade ou não.”

“DINHEIRO PARA OS RICOS”

Protestos contra a cúpula tornaram-se comuns e, neste sábado, milhares de ativistas contra a globalização, separatistas bascos e manifestantes de “coletes amarelos” marcharam pacificamente pela fronteira da França com a Espanha para exigir ação dos líderes.

    “É mais dinheiro para os ricos e nada para os pobres. Vemos as florestas amazônicas queimando e o Ártico derretendo”, disse Alain Missana, eletricista de colete amarelo - símbolo de protestos antigovernamentais que abalam a França há meses.

    Líderes da UE pressionaram na sexta-feira o presidente brasileiro Jair Bolsonaro por causa de incêndios na floresta amazônica.

    Macron disse que Bolsonaro mentiu para minimizar as preocupações com as mudanças climáticas em uma cúpula do G20 no Japão em junho e ameaçou vetar um pacto comercial entre a União Europeia e o bloco do Mercosul dos países sul-americanos.

    Uma fonte diplomática francesa disse que assessores dos líderes do G7 estavam trabalhando em iniciativas concretas para responder aos incêndios.

Johnson, do Reino Unido, manifestou profunda preocupação com as queimadas na floresta, mas parecia discordar de Macron sobre como responder.

“Há todo tipo de pessoa que usará qualquer desculpa para interferir no comércio e frustrar os acordos comerciais, e eu não quero ver isso”, disse Johnson a repórteres.

Reportagem de Jeff Mason, William James, Richard Lough, Marine Pennetier, John Chalmers, Crispian Balmer, John Irish e em Biarritz; Bryan Pietsch em Washington; Gabriela Baczynska em Bruxelas; e Chris Steitz em Frankfurt

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below