August 25, 2019 / 6:53 PM / 3 months ago

Trump e Abe dizem que EUA e Japão concordaram em princípio em acordo comercial

BIARRITZ, França (Reuters) - Os Estados Unidos e o Japão concordaram em princípio neste domingo em celebrar os elementos de um acordo comercial que o presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disseram que esperavam assinar em Nova York no próximo mês.

O acordo, se finalizado, esfriaria uma disputa comercial entre os dois aliados, assim como se intensifica uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China.

O representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, disse que o acordo cobria agricultura, tarifas industriais e comércio digital. As tarifas de automóveis permaneceriam inalteradas.

Trump disse que o Japão concordou em comprar excesso de milho nos EUA, o que está sobrecarregando os agricultores como resultado da disputa tarifária entre Washington e Pequim. Abe se referiu a uma possível compra do milho e disse que seria tratado pelo setor privado.

“É uma transação muito grande, e concordamos em princípio. São bilhões e bilhões de dólares. Tremendo para os agricultores”, disse Trump a repórteres sobre o acordo durante um anúncio conjunto com Abe na reunião do G7 na França.

O líder japonês disse que ainda há mais trabalho, mas expressou otimismo de que o projeto seja finalizado na Assembléia Geral das Nações Unidas no próximo mês.

“Ainda temos algum trabalho restante a ser feito..., como finalizar a redação do contrato comercial e finalizar o conteúdo do próprio contrato”, disse ele, por meio de um intérprete.

“Mas gostaríamos de garantir que nossas equipes acelerem o trabalho restante para alcançarmos esse objetivo de realizar a assinatura do acordo em paralelo à Assembleia Geral da ONU no final de setembro.”

Lighthizer observou que o Japão importa cerca de 14 bilhões de dólares em produtos agrícolas dos EUA e disse que o acordo abriria mercados para mais de 7 bilhões de dólares desses produtos. Ele disse que carne bovina, suína, trigo, laticínios, vinho e etanol se beneficiariam com o acordo.

“Isso levará a reduções substanciais nas tarifas e barreiras não tarifárias em todo o mundo”, afirmou. Ele não entrou em detalhes sobre os aspectos industriais e de comércio eletrônico do acordo.

Trump, que na semana passada disse ter ordenado às empresas norte-americanas que começassem a procurar alternativas para fazer negócios na China, parecia desconsiderar a ênfase de Abe de que o setor privado japonês lidaria com as compras de excesso de milho nos EUA.

“O setor privado japonês ouve muito bem o setor público japonês ... Talvez seja um pouco diferente do nosso país”, disse Trump.

Abe, enquanto isso, parecia querer se opor à sugestão de Trump de que as compras de milho haviam sido feitas, mas ele disse que as pragas de insetos afetaram alguns produtos agrícolas no Japão, criando a necessidade de comprar certos produtos.

“Acreditamos que é necessário implementar medidas de apoio emergencial para que o setor privado japonês tenha a compra antecipada do milho norte-americano”, disse ele. “É por isso que, diante de tal cenário, acho que existe a possibilidade de cooperarmos para resolver esse problema.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below