August 30, 2019 / 10:18 PM / 3 months ago

Bancos argentinos vão precisar de aprovação prévia do banco central para distribuir resultados

Por Hugh Bronstein e Cassandra Garrison

Homem passa pela frente de um painel com cotações de câmbio, em Buenos Aires, Argentina. 30/8/2019. REUTERS/Agustin Marcarian

BUENOS AIRES (Reuters) - Os combalidos bônus e o câmbio argentino foram arrastados ainda mais para baixo nesta sexta-feira em meio a rebaixamentos da nota do país por três agências de classificação de risco e uma nova política que o banco central disse que vai assegurar a liquidez do sistema financeiro.

Alguns economistas disseram que a política, que pode limitar a disponibilidade de pesos para instituições financeiras, parece a volta do controle de capitais.

“Instituições financeiras precisam obter autorização prévia do banco central para distribuir seus resultados”, disse o banco central em comunicado.

Em um segundo comunicado, o banco disse que a medida visa assegurar a liquidez do sistema financeiro, de forma que os depositantes possam sacar recursos quando necessário.

“Em tempos de grande incerteza, buscamos aumentar a liquidez do sistema para evitar qualquer falta de dinheiro”, disse.

O órgão não tinha porta-vozes imediatamente disponíveis para comentários adicionais.

A nova normativa foi divulgada ao término de uma semana de crescente turbulência financeira na Argentina, após o governo do presidente Mauricio Macri ter dito que buscará postergar o pagamento dos vencimentos da dívida.

Essa nova etapa da crise começou com a votação primária de 11 de agosto, que mostrou Macri, considerado pró-mercado, em larga desvantagem na corrida eleitoral em relação ao oposicionista Alberto Fernández, de centro-esquerda. As eleições, que agora tem Fernández como franco favorito, acontecem em outubro.

“O banco central não está permitindo que eles distribuam resultados, isso significa que não podem usar seus pesos. Isso não é uma restrição de acesso ao mercado cambial, mas sobre a disponibilidade de pesos”, uma fonte familiarizada com o plano do banco central disse à Reuters.

“O banco central quer que os bancos estejam bem capitalizados no momento”, acrescentou a fonte, que pediu anonimato porque não está autorizada a falar com a mídia.

As agências Standard & Poor’s , Fitch e Moody´s reduziram a nota da dívida argentina nesta sexta-feira.

O peso fechou o dia com perda de 2,72%, a 59,52 por dólar, acumulando desvalorização de cerca de 36% no ano. O spread que mede o risco de default da dívida argentina sobre o dos títulos do governo dos EUA saltou 261 pontos básicos, para 2.533 pontos, maior patamar desde 2005, segundo o índice Emerging Markets Bond Plus, do JP Morgan.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below