September 6, 2019 / 2:22 PM / in 2 months

Governo quer Infraero com aviação regional após terminar concessões de aeroportos até 2022

30/11/2018 REUTERS/Kamil Krzaczynski - RC1910A11600

BRASÍLIA (Reuters) - As próximas duas rodadas de leilões para concessões de aeroportos terão 22 aeroportos cada uma e devem marcar o encerramento do envolvimento da Infraero na administração aeroportuária até 2022, disse nesta sexta-feira o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas.

O governo negocia ainda o repasse de três aeroportos para governos estaduais, o que pode reduzir o número de concessões para 19 na 7ª rodada.

A partir desse momento, a empresa, que em um primeiro momento entrou na lista de possíveis privatizações, deve passar a cuidar apenas da administração da aviação regional, em parceria com estados e municípios.

Cada uma das próximas rodadas de concessões - a primeira marcada para outubro de 2020 e a segunda, entre o final de 2021 e o primeiro trimestre de 2022 - terão cada uma três blocos. Os dois finais, encabeçados pelos aeroportos Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e Congonhas, em São Paulo, os mais lucrativos do país.

O governo assinou nesta sexta os contratos de concessão com os vencedores dos leilões da 6ª rodada, realizada em março, em que foram concedidos 12 aeroportos nas regiões Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste. O prazo das concessões é de 30 anos, com investimento previsto de 1,47 bilhão de reais nos primeiros cinco anos.

De acordo com o ministro, os contratos de concessão desta rodada e das seguintes incluem parcela de investimento acionada por um gatilho à medida que a demanda e a despesas nos aeroportos crescem.

ESTRANGEIRAS

Tarcísio disse esperar que as concessões ajudem a atrair ainda mais empresas estrangeiras para operar no país, depois da aprovação da lei que liberou a entrada das aéreas internacionais. “Os concessionários, na sua maioria também estrangeiros, têm todo interesse em trazer empresas para operar em seus aeroportos, em transformá-los em um hub”, disse.

De acordo com o ministro, a abertura ao capital estrangeiro já teve um reflexo imediato e várias empresa low cost começam a operar no Brasil, primeiro com rotas internacionais, mas já planejam rotas nacionais.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below