for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Indústria de veículos se prepara para retomada, mas em velocidade menor, diz Anfavea

Pátio com veículos de montadora em São Paulo. 19/3/2020. REUTERS/Roosevelt Cassio

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria de veículos do Brasil se prepara para uma retomada de produção até junho, mas em ritmo abaixo do normal diante de queda “dramática” de vendas no segundo trimestre e volumes nos meses seguintes provavelmente abaixo dos registrados em 2019.

O presidente da associação que representa as montadoras no Brasil, Anfavea, Luiz Carlos Moraes, afirmou nesta quinta-feira, durante entrevista transmitida online, que o faturamento do setor caiu cerca de 80% com os impactos da pandemia de coronavírus no país.

Por conta disso, o setor está tomando medidas para proteger o caixa, o que o levará a rediscutir com o governo o cronograma de investimentos obrigatórios como inclusão de itens de segurança nos veículos e cortes em emissões de poluentes.

“Hoje temos cerca de 43 fábricas paradas...com previsão de retorno a partir do final de abril, meados de maio e algumas em junho”, disse Moraes. “Estamos nos preparando para o retorno, que será numa velocidade diferente e com um modelo de produção diferente por questões de segurança”, referindo-se a medidas de proteção dos funcionários e limpeza de maquinário de produção contra possível contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo o presidente da Anfavea, os emplacamentos no final de março eram de cerca de 1.400 por dia, número bem abaixo dos cerca de 10 mi veículos diários antes das medidas de quarentena adotadas por Estados como São Paulo. De lá para o início do mês os licenciamentos melhoraram, segundo Moraes, mas ainda seguem em nível muito menor que os verificados antes da pandemia, da ordem de 2.500 por dia até a véspera.

Além da queda na demanda, do fechamento de concessionárias ocasionado pela crise, o presidente da Anfavea citou também problemas em burocracia de órgãos públicos que registram os licenciamentos. “O Denatran precisa se reinventar. Por que não fazer licenciamento vitual?”, questionou Moraes, se referindo ao Departamento Nacional de Trânsito, responsável pelos registros de emplacamentos.

“Este trimestre está muito difícil...Dependendo da crise da saúde, o terceiro trimestre pode ser melhor, mas vai ser substancialmente menor que o ano passado. Não tenho dúvida”, disse o presidente da Anfavea. Ele disse, porém, que caminhões pesados e extrapesados estão tendo melhor desempenho por conta da demanda de setores menos atingidos pela pandemia, como o de produção de grãos.

Diante da necessidade de preservar caixa, Moraes afirmou que os planos de investimentos do setor estão congelados, mas admitiu que parte deles podem ser cancelados pelas matrizes. Ele não mencionou valores. “A prioridade agora é pagar o boleto do mês”, afirmou o executivo.

Questionado sobre eventual fechamento de unidades de produção após a passagem da pandemia, Moraes respondeu que a indústria tem “agora uma queda absurda do mercado interno, o mercado de exportação, que já era pequeno ficou menor com a Argentina em situação ainda pior. Temos mais problemas na América Latina...Vejo, sim, um problema difícil”.

Por Alberto Alerigi Jr.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up