for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Índice de comércio de bens da OMC atinge mínima recorde, mas detecta alguns sinais de recuperação

REUTERS/Denis Balibouse

ZURIQUE (Reuters) - A Organização Mundial do Comércio disse nesta quarta-feira que seu índice para o comércio de bens atingiu uma mínima recorde, sugerindo que o comércio global de mercadorias registrou uma queda histórica no segundo trimestre de 2020 em meio à pandemia de coronavírus.

“Indicadores adicionais apontam para altas parciais no comércio mundial e na produção no terceiro trimestre, mas a força de tal recuperação segue altamente incerta: uma trajetória em forma de ‘L’, em vez de em forma de ‘V’, não pode ser descartada”, disse a OMC em seu site.

A leitura de 84,5 do índice ficou 18,6 pontos abaixo do período do ano anterior. Em tempos normais, o índice antecipa mudanças na trajetória do comércio em alguns meses, mas a volatilidade desencadeada pela pandemia reduziu seu valor preditivo.

“Esta leitura -- a mais baixa já registrada, com base em dados que remontam a 2007, e no mesmo nível da crise financeira de 2008 e 2009 -- é amplamente consistente com as estatísticas da OMC publicadas em junho, que estimavam um declínio de 18,5% no comércio de mercadorias no segundo trimestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano passado”, disse a OMC.

A extensão exata da queda ficará clara apenas quando os dados oficiais de comércio de abril a junho estiverem disponíveis.

A OMC previu em abril que o comércio global de bens cairia entre 13% e 32% em 2020 antes de se recuperar em 21% a 24% em 2021, mas em junho disse que respostas rápidas dos governos significam que seu cenário mais pessimista para este ano era improvável.

Por Michael Shields

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up