for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Economia da Argentina deve registrar contração recorde de 20% no 2° tri com impacto de pandemia

Combinação de fotos mostra lojas fechadas em Buenos Aires devido à pandemia de coronavírus. REUTERS/Agustin Marcarian

BUENOS AIRES (Reuters) - A economia da Argentina provavelmente teve contração de cerca de 20% no segundo trimestre do ano sobre o mesmo período do ano anterior, atingida pela pandemia do coronavírus e um lockdown nacional imposto em março, estimaram nesta terça-feira economistas consultados pela Reuters antes da divulgação oficial de dados.

Esse seria o pior trimestre desde pelo menos a década de 1980, de acordo com dados oficiais do governo, e uma queda mais acentuada do que qualquer período durante a maior crise econômica da Argentina, em 2002, quando a perda trimestral mais acentuada foi de 16,3%.

O país produtor de grãos sul-americano, em recessão desde 2018 e apenas emergindo de um default da dívida soberana, foi duramente atingido pela pandemia, apesar de um lockdown inicial duro. A Argentina já teve mais de 640 mil casos de Covid-19 confirmados e quase 13.500 mortes.

Uma pesquisa da Reuters com 14 analistas locais e estrangeiros resultou numa previsão de contração média de 19,9% para o período de abril a junho e uma estimativa mediana de contração de 19,6%. As previsões variaram de perdas de 19,4% a uma queda mais acentuada de 21,1%.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up