6 de Novembro de 2012 / às 13:17 / em 5 anos

Venda de veículos bate recorde, mas Fenabrave reduz projeções

Por Alberto Alerigi Jr.

Carros novos estacionados em área de estoque de planta da Volkswagen em São Bernando do Campo, São Paulo. As vendas de veículos novos no Brasil bateram recorde para o mês de outubro, avançando 18,6 por cento sobre setembro e 21,8 por cento na comparação com o mesmo período de 2011, divulgou nesta terça-feira a associação de concessionárias, Fenabrave. 02/03/2011 REUTERS/Paulo Whitaker

SÃO PAULO, 6 Nov (Reuters)- As vendas de veículos novos no Brasil bateram recorde para o mês de outubro, mas a associação de distribuidores Fenabrave reduziu nesta terça-feira sua estimativa para o crescimento dos licenciamentos em 2012, após ser surpreendida pelo tombo registrado em setembro.

Em outubro, as vendas de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus subiram 18,6 por cento na comparação com setembro e 21,8 por cento em relação ao mesmo período de 2011, para 341,7 mil unidades.

O volume levou o acumulado de licenciamentos no ano para 3,13 milhões de veículos, crescimento de 6 por cento sobre os 10 primeiros meses de 2011.

Apesar disso, a Fenabrave decidiu rever suas projeções para os licenciamentos de automóveis e comerciais leves este ano, de alta de 8,05 por cento, divulgada em agosto, para crescimento de 4 a 4,8 por cento. Se confirmada, a estimativa será equivalente a um volume entre 3,5 milhões e 3,6 milhões de unidades.

Segundo o presidente de conselho da entidade, Flávio Meneghetti, a revisão ocorreu após a queda acima do esperado das vendas em setembro, de mais de 30 por cento na comparação com o recorde histórico de agosto.

“O que nos fez rever foi o comportamento de setembro. O tamanho da queda nos surpreendeu. Além disso, o anúncio da presidente Dilma (Rousseff) de renovação do desconto do IPI até o fim do ano fez os consumidores esperarem mais para comprar”, disse Meneghetti em entrevista nesta terça-feira.

A entidade começou o ano com uma expectativa de crescimento de 4,5 por cento nas vendas de automóveis e comerciais leves, mas revisou os números por algumas ocasiões no decorrer do ano, conforme o mercado reagia a medidas de incentivo concedidas pelo governo, como a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no fim de maio.

Para 2013, Meneghetti afirmou que ainda é cedo para fazer estimativas firmes, mas aposta em um crescimento de vendas acima de 3,5 por cento. A taxa de 3,5 por cento é a mesma estimada para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no próximo ano pela consultoria MB Associados, que assessora a Fenabrave.

“O desempenho do próximo ano está ligado ao crescimento do PIB. Toda a vez que o PIB cresce 3,5 por cento, as vendas avançam 20 por cento acima disso”, disse Meneghetti.

“Num cenário normal, 4 por cento é coerente com o que está acontecendo com a economia agora. Mas, no final do ano, as montadoras sempre forçam vendas para melhorar participação. Além disso, locadoras estão renovando frotas antes da volta do IPI mais alto no ano que vem, por isso o 4,8 por cento”, afirmou.

Segundo ele, os licenciamentos dos próximos dois meses seguirão aquecidos, mas serão mitigados por um volume de dias úteis menor na comparação com 2011. Novembro terá 19 dias úteis, enquanto dezembro terá 18. Em comparação, outubro teve 22 dias para emplacamentos.

Para o restante dos segmentos, a Fenabrave manteve suas estimativas para 2012: caminhões vão recuar 19 por cento, para 139,85 mil unidades; ônibus terão alta de 8 por cento, a 37,53 mil unidades; e motocicletas sofrerão queda de 12 por cento, para 1,7 milhão de unidades.

CAMINHÕES E MOTOS

Em outubro, as vendas de caminhões saltaram 48 por cento sobre setembro, para 12,54 mil unidades, catapultadas pela redução de juros de financiamento do programa PSI-Finame, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no fim de agosto, de 5,5 por cento para 2,5 por cento ao ano.

Porém, sobre outubro de 2011, o volume licenciado caiu 9,6 por cento, não conseguindo superar o forte movimento de antecipação de compras gerado pela mudança no regime de emissões de poluentes a partir de 2012, que exigiu produção de motores mais limpos, mas mais caros.

“Houve também maior agilidade na aprovação de crédito do Finame”, disse o presidente-executivo da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr. Em setembro, ele estimou um crescimento de 10 por cento nas vendas de caminhões em 2013 .

Já as vendas de motocicletas subiram 16,9 por cento em outubro sobre setembro, para 134,7 mil unidades. Sobre outubro de 2011, porém, houve queda de 7,8 por cento. No ano, o segmento acumula licenciamentos de 1,38 milhão de unidades, queda de 12,8 por cento sobre o mesmo período de 2011.

Apesar de ter havido um aumento recente nas aprovações de crédito para consumidores comprarem motocicletas, o nível segue baixo, com apenas 22 pedidos de financiamento sendo aprovados a cada 100 entregues aos bancos, disse Assumpção. Ele atribuiu a desconfiança ao alto índice de inadimplência e à dificuldade “muito grande” das instituições financeiras para a retomada dos bens.

RANKING

A Fiat encerrou outubro na liderança do segmento de automóveis e comerciais leves, com licenciamentos de 80.797 unidades, elevando sua participação no total das vendas para 24,7 por cento ante 21,7 por cento em outubro de 2011.

A Volkswagen registrou vendas de 70.562 unidades em outubro, elevando sua fatia no período de 20,2 para 21,6 por cento. A montadora alemã foi seguida por General Motors, com licenciamentos de 54.065 veículos e participação recuando de 18,9 para 16,5 por cento. A Ford teve emplacamentos de 29.936 carros e comerciais leves em outubro, com fatia crescendo de 8,6 para 9,2 por cento.

O período foi marcado pela entrada da Hyundai e da Toyota no segmento de carros compactos, o de maior volume no mercado nacional.

O modelo HB20, fabricado em Piracicaba (SP) pela Hyundai, teve vendas de 3.312 unidades. Já o Etios, da Toyota, produzido em Sorocaba (SP), teve emplacamentos de 1.112 unidades. Em outubro, o automóvel mais vendido do país foi o Gol, da Volkswagen, com 27,7 mil licenciamentos.

Edição de Sérgio Spagnuolo e Raquel Stenzel

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below