31 de Janeiro de 2013 / às 17:33 / em 5 anos

Atividade da indústria paulista cai 4,5% em 2012--Fiesp

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO, 31 Jan (Reuters) - A indústria paulista contraiu 4,5 por cento em 2012, pior desempenho em três anos, e sua recuperação neste ano tende a ser tímida.

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, o Indicador de Nível de Atividade (INA) do ano passado foi o pior desde 2009, quando ele havia caído 7,2 por cento. Já em dezembro, o indicador mostrou retração de 0,3 por cento ante novembro, com ajuste sazonal. Já em novembro, ante outubro, houve queda de 0,8 por cento.

Apesar de ainda fraca, o empresariado melhorou um pouco suas perspectivas sobre a economia. Segundo a Fiesp, o Sensor ficou em 49,8 em janeiro, melhor do que os 45,0 registrados em dezembro. Sob os critérios da entidade, pontuação acima de 50 pontos indica otimismo e, abaixo, pessimismo.

“O Sensor não está dizendo ‘prepare-se para a festa’ nem ‘prepare-se para a tragédia’”, disse o diretor-titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp, Paulo Francini. “Se a recuperação está ocorrendo, está em estado prévio.”

Apesar disso, a Fiesp reduziu sua projeção para o crescimento da indústria paulista em 2013, de 3,9 por cento para 2,3 por cento, acrescentou o pesquisador.

Pesquisa da Reuters com 27 economistas indica que a produção industrial brasileira deve recuar 4,70 por cento em dezembro, quando comparado com o mesmo mês de 2011, completando o terceiro ano de crise no setor. Em novembro, o dado teve baixa de 0,6 por cento em base anual.

Francini identificou como um dos fatores por trás do fraco desempenho do setor em 2012 foi a forte competição com produtos importados, mesmo que atenuada pela política de desvalorização cambial adotada pelo governo.

“Já estamos desconfortáveis com o dólar a 2 reais”, disse ele. “Nós não estamos ainda no ponto ideal”.

Questionado sobre o impacto da recente apreciação da divisa brasileira na atividade do setor, Francini afirmou que o movimento é pequeno demais para surtir grandes efeitos na indústria paulista.

Nesta semana, o dólar ficou abaixo de 2 reais pela primeira vez em vários meses, com o governo preocupado com a inflação e com investimentos.

SETORES

Segundo o pesquisador, o setor automobilístico foi o que exerceu maior peso sobre o mau desempenho no indicador no acumulado de 2012, com queda de 5,6 por cento, mesmo com os todos os incentivos dados pelo governo no ano passado para a compra de veículos.

“A rigor, a grande perda do setor deve-se ao setor de autopeças”, afirmou Francini, acrescentando que esse segmento registrou queda de 13,8 por cento no ano afetado pelas importações.

De acordo com dados da associação que representa as montadoras, a produção de veículos no Brasil teve queda de 1,9 por cento em 2012 frente a 2011.

Já entre os setores que apresentaram desempenho positivo, Francini ressaltou o setor de produtos químicos, que registrou alta de 68 por cento. Segundo ele, a boa performance pode ser explicada pelo fato de que a área não é tão impactada pela competição de produtos estrangeiros e pelo efeito do câmbio sobre o comércio da mercadoria.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below