22 de Fevereiro de 2013 / às 15:20 / em 5 anos

Asmussen, do BCE, diz que credibilidade do G20 está em risco

BERLIM, 22 Fev (Reuters) - A credibilidade do G20 está em risco porque o grupo foi fundamentalmente equipado para lidar com crises e é menos efetivo durante períodos de calmaria, disse o membro do conselho do Banco Central Europeu (BCE) Joerg Asmussen nesta sexta-feira.

Membro do Conselho do BCE, Joerg Asmussen, participa de entrevista à Reuters em Berlim, Alemanha. A credibilidade do G20 está em risco porque o grupo foi fundamentalmente equipado para lidar com crises e é menos efetivo durante períodos de calmaria, disse Asmussen nesta sexta-feira. 22/02/2013 REUTERS/Pawel Kopczynski

Asmussen afirmou que o grupo de nações desenvolvidas e em desenvolvimento precisa ser fortalecido através de reformas para deixá-lo mais transparente, efetivo e comprometido em combater crises.

“O início promissor do G20 vem infelizmente sendo seguido por resultados mais mistos”, disse Asmussen em um discurso.

“Não há alternativas viáveis ou óbvias para o G20... O G20 precisa se desenvolver mais em relação ao que era desde o início: o principal fórum para cooperação econômica internacional.”

O G20 vem recebendo críticas por falta de credibilidade, frequentemente não seguindo seus próprios acordos e compromissos, como na rodada de Doha.

Asmussen afirmou ainda que o grupo perdeu força nos últimos anos, também “em uma certa proporção devido à diminuição do senso de urgência.”

“A governança econômica global como a conhecemos hoje parece estar bem equipada para gerenciar uma crise global. Mas é menos efetiva durante períodos de calmaria, o que também reduz sua capacidade de impedir crises futuras”, disse Asmussen

“A governança econômica global também fica longe de responder à escala de desafios de hoje.”

Para reviver o poder do G20, Asmussen disse que o grupo precisa adotar um processo de tomada de decisão mais transparente, e uma agenda operacional mais focada e concisa.

O grupo também precisa de instituições financeiras internacionais mais fortes e lidar com os países que não são membros discutindo cada questão, ao invés de ampliar o número de membros, o que pode diluir sua eficácia.

Reportagem de Annika Breidthardt

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below