15 de Julho de 2013 / às 10:29 / em 4 anos

Último incidente com Boeing 787 impõe teste para jatos de carbono

SEATTLE/PARIS, 15 Jul (Reuters) - A Boeing enfrenta um teste público e revelador da tecnologia de carbono utilizada no 787 Dreamliner, depois de um incêndio que ocorreu a bordo de um de seus aviões no aeroporto de Heathrow, em Londres.

Equipes de emergência atendem a chamado em um Boeing 787 Dreamliner, operado pela Ethiopian Airlines, que pegou fogo no aeroporto britânico de Heathrow, em Londres. A Boeing enfrenta um teste público e revelador da tecnologia de carbono utilizada no 787 Dreamliner, depois de um incêndio que ocorreu a bordo de um de seus aviões no aeroporto de Heathrow. 12/07/2013. REUTERS/Toby Melville

Investigadores britânicos dizem que as baterias de íon de lítio do avião da Ethiopian Airlines provavelmente não provocaram um incêndio na sexta-feira, aliviando temores sobre um retorno do problema que levou ao cancelamento dos voos com aviões Dreamliner por mais de três meses no início deste ano, quando uma bateria pegou fogo e outra superaqueceu.

Wall Street e os passageiros, até agora, parecem pouco preocupados: espera-se que a ação se estabilize nesta segunda-feira depois de cair 4,7 por cento na sexta-feira. As companhias aéreas estão mantendo seus 787 no ar e os passageiros não estão cancelando viagens no Japão, o maior mercado do 787.

Mas o fogo visível na parte superior traseira do avião de 250 lugares coloca uma grande inovação do 787 --a sua leveza, a construção com carbono-plástico-- sob um holofote com um novo conjunto de questões em torno do avião.

A questão é: o avião que pegou fogo pode ser consertado facilmente e a um custo razoável?

Esses reparos ainda não foram feitos em nenhum avião comercial operacional. Assim, o fogo na Ethiopian Airline é a primeira chance que as companhias aéreas, financiadores e os concorrentes tem de ver um exemplo real de como e qual o custo do reparo que pode ser feito.

“Todo mundo na indústria vai acompanhar atentamente este processo”, disse Hans Weber, presidente da Tecop Internacional e um consultor de aviação que já trabalhou em tecnologia de testes de composição. “É o teste final.”

Por Alwyn Scott e Tim Hpher

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below