31 de Julho de 2013 / às 20:37 / em 4 anos

Após subir a R$2,30, dólar fecha estável com Fed e tripla atuação do BC

Por Bruno Federowski e Tiago Pariz

SÃO PAULO, 31 Jul (Reuters) - O dólar fechou perto da estabilidade ante o real nesta quarta-feira após sessão de ampla volatilidade e que chegou a levá-lo ao patamar de 2,30 reais, com o Banco Central atuando três vezes para conter a valorização da divisa e com o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, não oferecendo sinais de que reduzirá seu estímulo monetário em breve.

Em julho, a divisa norte-americana acumulou alta pelo terceiro mês consecutivo e os analistas continuam afirmando que seu viés é de alta, mas sem tanta força como a vista até agora diante da perspectiva de intervenções do BC para evitar mais pressões inflacionárias.

O dólar fechou com leve alta de 0,08 por cento, a 2,2824 reais na venda, sendo que na máxima do dia chegou a 2,3029 reais. Em julho, a divisa acumulou alta de 2,27 por cento e, desde maio, de 14 por cento.

“Não vejo uma alta tão forte do dólar no futuro próximo. Com certeza o viés é mais de alta do que de baixa, mas não é uma alta tão expressiva”, afirmou o economista-chefe da INVX Global, Eduardo Velho.

Durante a manhã, o dólar chegou a registrar alta de quase 1 por cento, bastante influenciado pela briga na formação da Ptax. Neste período, o BC realizou três leilões de swap cambial tradicional --equivalente a venda de dólares no mercado futuro--, numa atuação que não fazia há mais de uma década.

A última vez que a autoridade monetária fez três leilões de swap tradicional num mesmo dia foi em agosto de 2002 e, segundo operadores, a ação agora serviu para tentar segurar a cotação.

“O BC quer manter o câmbio por volta de 2,20 ou 2,30 reais para evitar uma pressão indesejável sobre a inflação ao longo dos próximos meses”, afirmou Velho, ressaltando que a autoridade monetária pode recorrer a atuações mais incisivas, como ofertas de dólares no mercado à vista, para conter a valorização do dólar.

“Essa é a grande pergunta: se o BC vai conseguir o dólar nesse nível. Eu acho que no curto prazo ele consegue, porque ainda tem ferramentas para fazer isso”, acrescentou ele.

No primeiro leilão, o BC vendeu o lote integral de 30 mil contratos de swaps e, no segundo, ofertou a mesma quantidade e vendeu um pouco mais da metade. Logo em seguida, anunciou que faria outro leilão, mas de 15 mil contratos, e acabou não vendendo nenhum deles. Mesmo assim, a moeda continuou a operar em alta.

O dólar anulou os ganhos durante a tarde, entretanto, após o Fed informar que a economia continua se recuperando mas ainda necessita de suporte, não oferecendo indicações de que uma redução no ritmo de aquisição de ativos seja iminente.

A notícia aliviou expectativas de menor liquidez mundial, que de manhã pesavam sobre os mercados diante dos dados que mostraram que a economia dos EUA expandiu mais do que o esperado.

“Como o Fed mantém o incentivo monetário, o dólar tende a cair. Além disso, o BC fez 3 leilões de swap cambial. É uma somatória de notícias para derrubar o dólar”, afirmou um operador de uma corretora brasileira.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below