7 de Agosto de 2013 / às 20:43 / em 4 anos

Dólar sobe e vai R$2,31 pela 1ª vez em mais de 4 anos

Por Bruno Federowski e Tiago Pariz

Brasleiro compra dólares em corretora de câmbio no centro do Rio de Janeiro. O dólar subiu e fechou no patamar de 2,31 reais pela primeira vez em mais de quatro anos nesta quarta-feira, sem atuação do Banco Central, em mais um dia de poucas notícias relevantes e baixíssimo volume de negócios, ainda pressionado por preocupações com o cenário econômico global e doméstico. 4/08/2013 REUTERS/Bruno Domingos

SÃO PAULO, 7 Ago (Reuters) - O dólar subiu e fechou no patamar de 2,31 reais pela primeira vez em mais de quatro anos nesta quarta-feira, sem atuação do Banco Central, em mais um dia de poucas notícias relevantes e baixíssimo volume de negócios, ainda pressionado por preocupações com o cenário econômico global e doméstico.

A moeda norte-americana avançou 0,65 por cento, para 2,3139 reais na venda, maior patamar desde 31 de março de 2009, quando ficou em 2,319 reais.

Na máxima deste pregão, o dólar tocou o nível de 2,3150 reais e na mínima, bateu 2,2931 reais. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,3 bilhão de dólares, abaixo da média diária de julho, de 1,7 bilhão de dólares.

“O viés continua sendo de alta para o dólar, o mercado continua pressionado. A única coisa estranha é que o BC não apareceu”, disse o superintendente de câmbio da Advanced Corretora, Reginaldo Siaca, acrescentando que o baixo volume de negócios é originado pela ansiedade dos investidores sobre a política monetária nos Estados Unidos.

Sinais de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, deve reduzir em breve seu estímulo monetário --o que diminuirá a oferta global de dólares e, portanto, tende a pressionar as cotações da divisa-- têm assombrado os mercados. Desde maio, a divisa norte-americana acumula alta de 15,61 por cento ante o real.

As indicações mais recentes vieram da presidente do Fed de Cleveland, Sandra Pianalto, afirmando que a autoridade monetária pode reduzir em breve o programa se a melhora no mercado de trabalho continuar.

“Fica cada vez mais evidente para os principais expoentes do mercado que o estímulo monetário nos Estados Unidos está chegando ao final”, afirmou o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito. “O mercado está tentando se posicionar diante desse fato, que está dado”.

O fortalecimento da divisa norte-americana acendeu a luz amarela para possíveis intervenções do BC, uma vez que recentemente realizou leilões de swap cambial tradicional --equivalente a venda de dólares no mercado futuro-- quando o dólar estava acima de 2,30 reais.

A moeda dos EUA voltou a oscilar perto desse patamar durante essa semana, mas a última vez que o BC entrou nos mercados foi sexta-feira. Valorizações do dólar ante o real são mais um fator de pressão para a inflação e, na avaliação de boa parte do mercado, o BC age no câmbio para minimizar esse movimento.

No Brasil, a valorização do dólar também é influenciada pela desconfiança com a economia doméstica, que não tem mostrado recuperação mais consistente. Diante disso, prevalecem no mercado à vista fluxos de remessas de divisas de multinacionais para o exterior e, no mercado futuro, as mesmas empresas fazem operações para se proteger contra alta mais forte do dólar até o fim do ano.

Também ajuda o fato de investidores estrangeiros aproveitarem para apostar contra o real através de posições compradas no mercado de dólar futuro e cupom cambial, de acordo com um operador de câmbio de banco estrangeiro.

Segundo ele, e com base em dados da BM&F, os investidores estrangeiros estão com posição comprada líquida recorde em cupom cambial e dólar futuro de 14,5 bilhões de dólares, a maior desde março de 2009.

Informações da BM&F mostram também que em julho o volume de opções de compra de dólar futuro negociadas superou o volume de opções de venda em 418 milhões de dólares. Segundo analistas, trata-se de uma evidência de que há mais investidores dispostos a comprar dólares do que vendedores.

O próprio governo está pessimista com o desempenho da economia brasileira. Tanto dentro da equipe econômica quanto no Palácio do Planalto há avaliações de que a atividade pode perder força no terceiro trimestre --o oposto da visão que prevalecia há poucos meses.

No mercado à vista, os bancos aumentaram suas posições compradas de dólares, mais uma visão de que o dólar deve continuar subindo. Em 19 de julho, segundo o BC, elas estavam em 570 milhões de dólares e, no final do mês passado, já haviam avançado a 1,675 bilhão de dólares.

Em julho, o país registrou saída líquida de 1,447 bilhão de dólares, mas o resultado foi positivo em 1,106 bilhão de dólares na semana passada, ainda segundo o BC.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below