27 de Agosto de 2013 / às 19:28 / em 4 anos

Em sessão volátil, dólar cai 0,65% ante real com fluxos pontuais e BC

Por Bruno Federowski e Tiago Pariz

SÃO PAULO, 27 Ago (Reuters) - Em mais um dia marcado por muito vaivém, o dólar fechou em queda ante o real, derrubado por fluxos pontuais de entrada de capital e pelo plano de atuações do Banco Central no mercado de câmbio, que tinham seu efeito ampliado pela forte volatilidade que tem acometido os mercados nos últimos dias.

O dólar perdeu 0,65 por cento, para 2,3683 reais na venda, após chegar a subir mais de 1 por cento, a 2,4187 reais na máxima do dia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro estava em pouco mais de 1,2 bilhão de dólares.

“Uns falam que houve entrada de (investidores) estrangeiros, outros falam que a atuação do Banco Central começou a fazer efeito. Aparentemente, tem muito mais aspectos técnicos do que notíciário por trás dessa queda do dólar”, afirmou o economista-chefe do Espírito Santo Investment Bank, Jankiel Santos.

Ele referia-se ao plano de intervenção do BC nos mercados de câmbio anunciado na semana passada. Com o objetivo de “prover hedge cambial aos agentes econômicos e liquidez ao mercado”, a autoridade monetária informou que vai atuar diariamente por meio de swaps cambiais tradicionais --equivalente a venda de dólares no mercado futuro-- e leilões de linha até, pelo menos, 31 de dezembro.

Durante a manhã, no entanto, a divisa registrou forte alta, diante do ambiente de aversão global ao risco provocado por temores de ataque iminente dos Estados Unidos e aliados à Síria, levando alguns analistas a dizer que a autoridade monetária poderia ser forçada a elevar o grau de intervenção no mercado para fazer frente a esse cenário.

“Com certeza (o programa do BC) está longe de ter eliminado as fortes variações que (o dólar) estava tendo. O cenário continua bastante preocupante e talvez o BC tenha que fazer mais leilões além dos programados”, afirmou o operador de câmbio da corretora Intercam, Glauber Romano.

Nesta terça-feira, o BC vendeu 10 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimento em 2 de dezembro de 2013, como parte de seu plano de intervenções, cujo potencial é de 60 bilhões de dólares. Entre segunda e quinta-feiras, o BC ofertará 10 mil contratos de swap por dia e, nas sexta-feiras, ele fará leilão de venda no mercado à vista com compromisso de recompra no valor de 1 bilhão de dólares.

À tarde, o BC anunciou ainda para quarta-feira a próxima etapa de seu programa de intervenções, ofertando 10 mil contratos de swap cambial tradicional com vencimento em 2 de dezembro de 2013. O leilão ocorrerá entre as 9h30 e as 9h40 e o resultado será divulgado a partir das 9h50.

Além disso, a autoridade monetária divulgou, com bastante antecedência, um cronograma para a rolagem de 135.300 contratos que de swap que vencem em 1º de outubro deste ano.

As ofertas serão realizadas nos dia 16, 17 e 18 de setembro, coincidindo com as datas da reunião de política monetária do Federal Reserve, banco central norte-americano, marcada para 17 e 18 de setembro e na qual investidores acreditam que o Fed poderá decidir reduzir suas compras mensais de títulos.

É justamente a preocupação com o futuro da política monetária dos EUA que desencadeou o processo de valorização internacional do dólar nas últimas semanas.

Desde maio, quando integrantes do Fed começaram a sinalizar que a redução do estímulo monetário no país deve vir em breve, o BC brasileiro vendeu o equivalente a 51,735 bilhões de dólares em swaps cambiais. Em comparação, durante a crise financeira de 2008 e 2009, a autoridade monetária vendeu o equivalente 33 bilhões de dólares nesses instrumentos.

Para o estrategista-chefe do banco Mizuho, Luciano Rostagno, a medida do BC deve ser suficiente para manter o câmbio perto dos níveis atuais. As declarações do estrategista espelham a opinião de diversos analistas, que vêm citando que o patamar de 2,40 reais é um teto técnico importante.

GUERRA NA SÍRIA

Nesta terça-feira, a possibilidade de os Estados Unidos e seus aliados atacarem a Síria adicionou instabilidade aos mercados e fez os investidores se livrarem de aplicações de risco, como moedas de país com economias menos desenvolvidas. Em vez disso, eles procuravam ativos considerados “porto-seguro”, como o ouro no mercado à vista, que atingiu a maior cotação em 15 semanas.

Em relação ao peso mexicano, a divisa dos Estados Unidos subia cerca de 0,2 por cento. Já o dólar australiano se desvalorizava 0,44 por cento, e o dólar neozelandês perdia 0,65 por cento.

“O temor de ataque na Síria afetou os mercados fortemente. Vamos ver se o BC vai manter o cronograma ou alterá-lo”, afirmou o operador de um banco estrangeiro, citando que o mercado de câmbio está bastante agitado e nervoso.

O operador de uma corretora internacional ressaltou, ainda, que a briga pela formação da Ptax de agosto contribuía para elevar a volatilidade dos mercados. A Ptax --taxa elaborada pelo BC que serve de referência para diversos contratos cambiais-- é divulgada no último pregão do mês.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below