19 de Setembro de 2013 / às 23:21 / em 4 anos

Caixa vê crédito desacelerar nos próximos trimestres

SÃO PAULO, 19 Set (Reuters) - A Caixa Econômica Federal prevê um crescimento mais lento da sua carteira de crédito nos próximos trimestres, conforme a base de comparação fica maior, afirmou o vice-presidente do maior banco estatal do país.

O ritmo dos desembolsos deve se manter próximo ao atual, disse Márcio Percival nesta quinta-feira. Em sua visão, a demanda por crédito deve crescer em 2014, impulsionada principalmente pelos setores de infraestrutura e habitação.

“Acho que a economia vai crescer mais que este ano, acima de 3 por cento, e a demanda de crédito vai crescer. A pergunta é como se comportarão os bancos privados”, disse.

Para este ano, o banco prevê crescimento de 34 a 38 por cento da carteira de crédito. No primeiro semestre, o avanço foi de 42,5 por cento.

Segundo ele, o papel da Caixa é aumentar a oferta de crédito quando o setor bancário privado se retrai, e vice-versa.

A Caixa prevê investimentos em infraestrutura de quase 1 trilhão de reais no país ate 2016, além de formação bruta de capital fixo (investimentos) de 24 por cento em 2018.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), o banco estatal prevê crescimento de 2,5 por cento neste ano e de 3 por cento no ano que vem.

O executivo destacou o aumento da renda e do emprego nos últimos anos no Brasil, acrescentando que estes movimentos contribuem para a bancarização e ao acesso ao crédito.

O banco prevê que sua base de clientes de varejo crescerá 10 por cento até 2015 e 20 por cento até 2022, chegando a 88 milhões de clientes.

Ele avalia que o endividamento das famílias tem potencial para crescer. “Não estamos em uma situação de desespero em relação ao endividamento, estamos ainda abaixo do limite do que é possível”, disse.

O executivo vê tendência de estabilidade na inadimplência acima de 90 dias da Caixa, oscilando em torno de 2,3 por cento.

Questionado sobre a captação de 2,5 bilhões de dólares no exterior, o executivo disse apenas que o banco está “olhando” e que a decisão do Fed de manter os estímulos é favorável.

A aprovação para a criação do banco de investimentos “dificilmente será tomada este ano” pelo Banco Central, segundo o executivo, devido a recentes mudanças nas regras do BC.

Por Natalia Gómez

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below