29 de Outubro de 2013 / às 13:20 / em 4 anos

JetBlue adia recebimento de jatos; ações da Embraer recuam

SÃO PAULO, 29 Out (Reuters) - A companhia aérea norte-americana JetBlue anunciou nesta terça-feira que adiará o recebimento de 24 aviões da Embraer para entre 2020 e 2022, ante cronograma anterior de 2014 a 2018, derrubando as ações da fabricante brasileira de jatos.

Aeronaves da companhia JetBlue Airways fotografadas na pista do aeroporto internacional John F. Kennedy, em Nova York. A JetBlue anunciou nesta terça-feira que adiará o recebimento de 24 aviões da Embraer para entre 2020 e 2022, ante cronograma anterior de 2014 a 2018, derrubando as ações da fabricante brasileira de jatos. 15/06/2013. REUTERS/Fred Prouser

Em comunicado sobre a reestruturação de sua frota, a JetBlue disse que, embora a aeronave regional Embraer 190 --de 100 passageiros-- seja crítica para o sucesso da empresa aérea em Boston e San Juan, nos Estados Unidos, “estamos agora em um ponto onde o crescimento de nossa rede demanda aviões maiores”.

Ao mesmo tempo em que postergou o recebimento de jatos da Embraer, a JetBlue converteu 18 posições de compra de aviões A320 para o modelo A321, da Airbus, para equacionar melhor a oferta e a demanda em mercados-chave e reduzir custos. Além disso, a JetBlue fez uma encomenda adicional de 15 unidades do A321 e de outras 20 aeronaves A321neo.

As ações da Embraer chegaram a cair quase 4 por cento na mínima e recuavam 3,65 por cento às 11h06, a 17,15 reais. O Ibovespa tinha queda de 0,89 por cento no mesmo horário.

Procurada, a Embraer não comentou de imediato o anúncio da JetBlue.

A JetBlue foi a cliente-lançadora do Embraer 190, com pedido firme de 100 unidades e outras 100 opções de compra, em contrato assinado em 2003 avaliado à época em até 6 bilhões de dólares.

O número de entregas de jatos pela Embraer é acompanhado de perto pelo mercado, já que a fabricante contabiliza a receita com a venda no momento da entrega das aeronaves. Os aviões comerciais representam a maior parcela da receita total da companhia.

De janeiro a setembro, a terceira maior fabricante mundial de aviões civis entregou 58 aeronaves comerciais, ainda distante da meta de 90 a 95 jatos para o ano nesse segmento, o que significa que a Embraer terá que entregar pelo menos 32 unidades no quarto trimestre.

Apesar da pressão na aviação comercial neste ano, para 2014 e depois disso analistas têm expectativas mais otimistas, considerando a carteira de pedidos firmes a entregar da fabricante, que totalizava 17,8 bilhões de dólares no fim de setembro.

Por Roberta Vilas Boas

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below