1 de Novembro de 2013 / às 19:18 / em 4 anos

Dólar avança 1% e volta a R$2,25, com investidores de olho nos EUA

Por Marília Carrera

SÃO PAULO, 1 Nov (Reuters) - O dólar subiu 1 por cento e superou o nível de 2,25 reais nesta sexta-feira, com investidores testando patamares mais altos depois de a moeda norte-americana ter disparado quase 2 por cento na sessão anterior por temores de que o banco central norte-americano reduza seus estímulos em breve.

O dólar avançou 1,03 por cento, a 2,2573 reais na venda, com volume de negócios de 753 milhões de dólares, segundo dados da BM&F. É o maior nível para a divisa desde 27 de setembro, quando ficou em 2,2575 reais. Na máxima do dia, a divisa alcançou 2,2636 reais.

“A gente está vendo uma forte aversão a risco motivada pela não sinalização do Fed sobre redução dos estímulos”, disse o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

Sinais sobre o futuro do programa de recompra de bônus do Federal Reserve devem continuar guiando as cotações da moeda norte-americana nas próximas sessões, mantendo investidores particularmente atentos a dados sobre a economia dos EUA.

Por meio desse programa, o Fed injeta 85 bilhões de dólares por mês na economia dos EUA. Parte destes recursos geralmente se dirige a mercados emergentes, em busca de rendimentos maiores.

Na véspera, a moeda dos Estados Unidos teve forte alta de 1,93 por cento, para 2,2343 reais, o maior nível de fechamento desde 27 de setembro.

O forte movimento da quinta-feira, ampliado pela rolagem parcial dos contratos de swap cambial tradicional com vencimento nesta sessão e pela formação da Ptax de outubro, quebrou diversos pontos de resistência técnica, estimulando investidores a testarem patamares mais elevados para a moeda norte-americana.

Apesar disso, especialistas acreditam que o Banco Central não realizará outras intervenções além daquelas previstas em seu programa de atuações diárias no mercado de câmbio. Segundo eles, o dólar deve retornar nos próximos dias ao nível de 2,20 reais, considerado um patamar de equilíbrio pelo mercado.

Pela manhã, o diretor de Política Monetária do BC, Aldo Mendes, ressaltou que o programa iniciado em agosto não tem data para acabar.

Embora o BC tivesse dito que as intervenções no câmbio durariam pelo menos até o final do ano, as declarações do diretor sugerem que a autoridade monetária está mais inclinada a continuar o programa no ano que vem.

Nesta sexta-feira, o BC deu prosseguimento ao programa de intervenções com mais um leilão de linha. Foram vendidos até 1 bilhão de dólares com compromisso de recompra em 6 de março de 2014.

“Com certeza, o movimento de alta da última sessão e desta manhã foi exagerado”, afirmou o operador de um banco nacional.

“O mercado deve trabalhar em torno de 2,20 reais, considerando que a gente também tem expectativa de entrada de recurso pelo leilão de Libra”, acrescentou ele, referindo-se ao pagamento de bônus de 15 bilhões de reais que o consórcio vencedor, que inclui empresas estrangeiras, terá de bancar neste mês.

Reportagem adicional de Bruno Federowski

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below