26 de Março de 2014 / às 11:04 / em 4 anos

Gol se mantém no vermelho, mas reduz prejuízo em 95% no 4º tri

Por Roberta Vilas Boas

Uma aeronave da Gol se prepara para pousar no aeroporto de Congonhas em São Paulo. A empresa aérea Gol sofreu o oitavo trimestre seguido de prejuízo líquido, mas conseguiu reduzir as perdas em 95,7 por cento no quarto trimestre de 2013 sobre igual período de 2012, informou a companhia na noite de terça-feira. 11/07/2011 REUTERS/Nacho Doce

SÃO PAULO (Reuters) - A empresa aérea Gol sofreu o oitavo trimestre seguido de prejuízo líquido, mas conseguiu reduzir as perdas em 95,7 por cento no quarto trimestre de 2013 sobre igual período de 2012, informou a companhia na noite de terça-feira.

A segunda maior empresa aérea do Brasil em participação de mercado teve prejuízo de 19,3 milhões de reais entre outubro e dezembro, ante 447 milhões de reais um ano antes.

O resultado indica uma continuidade da recuperação da Gol, que já no terceiro trimestre havia registrado um recuo nas perdas em cerca de 35 por cento.

A Gol também conseguiu encerrar o ano com margem Ebit de 3 por cento, no teto de sua meta.

Para 2014, a empresa projeta uma margem operacional de 3 a 6 por cento, com crescimento de até 10 por cento no custo excluindo a conta de combustível. Além disso, a Gol projeta queda de entre 1 e 3 por cento na oferta de assentos no mercado doméstico, apesar da realização da Copa do Mundo de futebol no Brasil, e crescimento de até 8 por cento no mercado internacional.

“O cenário macroeconômico para o ano de 2014 se demonstra ainda mais desafiador com o preço do combustível superior a 2013 e a desvalorização do real frente ao dólar, mantendo a pressão dos custos”, afirmou a Gol no balanço.

Os resultados recentes da empresa vêm recebendo impulsos de aumento de preços de passagens e redução de custos depois que a empresa cortou voos e reduziu funcionários em 2013.

O indicador de preços de passagens aéreas, yield, teve alta de 19 por cento no quarto trimestre, sobre um ano antes, enquanto a receita por passageiro teve alta de 27 por cento.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e leasing de aeronaves (Ebitdar) somou 552 milhões de reais no período, ante número negativo em 43,7 milhões de reais no quarto trimestre de 2012.

A receita líquida somou 2,728 bilhões de reais, alta de 28,7 por cento na comparação anual, influenciada pelo crescimento do yield e pelo aumento na taxa de ocupação.

A Gol informou ainda que no acumulado de 2013, o Ebitdar somou 1,5 bilhão de reais, “maior nível histórico da companhia”.

Também no acumulado de 2013, a Gol registrou prejuízo de 724,6 milhões de reais, redução de mais de 50 por cento ante 2012.

Embora a Gol tenha registrado recuo de 3,5 por cento nos custos e despesas operacionais em 2013, no trimestre houve alta de 3,6 por cento, comparando com o quarto trimestre de 2012.

Considerando apenas os gastos com combustível de aviação, que tem pressionado os resultados da empresa, houve recuo de 3,5 por cento no acumulado de 2013.

A posição da caixa da empresa terminou 2013 em nível recorde de 3 bilhões de reais, ou 34 por cento da receita líquida do ano passado. Enquanto isso, a dívida líquida caiu quase 30 por cento, para 2,54 bilhões de reais.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below