31 de Março de 2014 / às 21:08 / em 4 anos

Bovespa encerra março com maior ganho mensal em mais de dois anos

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO, 31 Mar (Reuters) - A Bovespa encerrou esta segunda-feira em alta e teve em março seu melhor desempenho mensal em mais de dois anos, com investidores aproveitando preços baixos para ir às compras e reagindo a expectativas sobre a eleição presidencial em outubro.

Especialistas, contudo, não esperam um novo rali na bolsa no mês que vem, uma vez que pouco mudou nos fundamentos da economia doméstica.

No último pregão do mês, o Ibovespa subiu 1,3 por cento, a 50.414 pontos. O giro financeiro do dia foi de 6,94 bilhões de reais.

O índice fechou março com avanço de 7,05 por cento, seu maior ganho mensal desde janeiro de 2012 e seu primeiro desempenho positivo desde outubro do ano passado. Também foi o melhor resultado do Ibovespa para meses de março desde 2009.

A especulação sobre os resultados da eleição presidencial do Brasil, que ocorrerá em outubro, constituiu-se como um tema central no radar do mercado em março. O Ibovespa chegou a subir 3,5 por cento em um único pregão, em 27 de março, após pesquisa CNI/Ibope apontar queda na aprovação do governo Dilma Rousseff.

Expectativas sobre mudanças políticas, especialmente no que se refere à gestão de empresas estatais, ganharam força logo após o Ibovespa atingir, em 14 de março, seu menor nível desde abril de 2009, quando as ações de muitas companhias eram negociadas abaixo de seu valor patrimonial.

Essa combinação de fatores motivou uma onda de compras na bolsa brasileira, com destaque para a movimentação de investidores estrangeiros, que colocaram 2,2 bilhões de reais na Bovespa em março até dia 27, dado mais recente disponível.

“O mercado havia caído forte porque fundos de pensão locais estavam vendendo ações em favor de títulos (de dívida). Então vimos investidores estrangeiros começarem a voltar em um caso típico de ‘comprar na baixa’”, resumiu o diretor da Mirae Securities, Pablo Spyer.

Assim, o Ibovespa conseguiu voltar para acima dos 50 mil pontos, nível psicológico importante para o mercado, e agora está a pouco mais de mil pontos de zerar as perdas acumuladas neste ano. No primeiro trimestre, o índice perdeu 2,12 por cento.

ABRIL INCERTO

Para o economista, Fausto Gouveia, da Legan Asset, o índice que reúne as principais ações brasileiras pode ficar algum tempo acomodado no atual patamar, após ter recuperado parte da defasagem nos preços.

“Houve um rali bastante forte em cima da pesquisa (CNI/Ibope), mas pouca coisa realmente mudou. Cada dia que passa aumenta a probabilidade de racionamento (de energia)... e a pesquisa Focus (do Banco Central) mostrou que a expectativa do mercado para a economia não melhorou, apesar de dados pontuais positivos”, disse, referindo-se a indicadores de produção industrial, vendas no varejo e do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

O estrategista da Fator Corretora, Paulo Gala, é mais otimista. Para ele, os dados de atividade divulgados neste mês contribuíram para melhorar um pouco a visão do mercado sobre a economia, enquanto a perspectiva “estável” para o rating soberano do país atribuída pela agência de risco Standard & Poor’s traz um alívio para o mercado, apesar de a nota do Brasil ter sido reduzida.

“Empresas estatais ainda têm chance de continuar se recuperando um pouco e bancos podem se beneficiar com juros mais altos”, disse, afirmando que a bolsa pode subir em abril, mas com bem menos força.

Reportagem adicional de Asher Levine

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below