29 de Agosto de 2008 / às 18:03 / em 9 anos

Oposição prepara ataque a referendo constitucional de Morales

Por Carlos Alberto Quiroga

<p>Presidente boliviano segura c&oacute;pia da proposta da nova constitui&ccedil;&atilde;o. A oposi&ccedil;&atilde;o ao governo do presidente da Bol&iacute;via, Evo Morales, afirmou na sexta-feira que prepara uma resposta en&eacute;rgica &agrave; decis&atilde;o do dirigente de realizar em dezembro um plebiscito para colocar em vigor uma nova e pol&ecirc;mica Constitui&ccedil;&atilde;o. 28 de agosto. Photo by Gaston Brito</p>

LA PAZ (Reuters) - A oposição ao governo do presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou na sexta-feira que prepara uma resposta enérgica à decisão do dirigente de realizar em dezembro um plebiscito para colocar em vigor uma nova e polêmica Constituição.

O anúncio feito pelos opositores parece confirmar o aviso dado por observadores e políticos de que a Bolívia percorrerá um caminho cheio de obstáculos até o dia da consulta popular, com a qual Morales pretende colocar um ponto final ao longo período de enfrentamento com seus adversários, concentrados nas regiões mais ricas do país.

O líder boliviano, fortalecido pelo resultado de um referendo de confirmação de mandato no qual obteve mais de 67 por cento de apoio, convocou, ao mesmo tempo, a consulta sobre a Constituição e a eleição, pela primeira vez, de subprefeitos de 112 províncias e assembléias dos Departamentos do país.

“A decisão muda o cenário político e nos obriga a dar uma resposta contundente contra o totalitarismo”, afirmou a repórteres Carlos Dabdoub, secretário de autonomia e nome forte do governo do Departamento de Santa Cruz, motor econômico do país e principal base da oposição.

Segundo Dabdoub, os governadores de ao menos quatro Departamentos da Bolívia, que há dois dias haviam pedido a mediação da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da Igreja Católica, reuniram-se na sexta-feira para tomar decisões. O secretário, no entanto, adiantou que a “linha de rechaço” ao referendo já está definida.

O governo boliviano, que pretende dar maior poder à maioria pobre e de origem indígena do país e reforçar o controle estatal sobre a economia, acusou os governadores da oposição de proteger os fazendeiros e de impedir que a autonomia seja conquistada também pelos povos indígenas e pelas províncias, como prevê a Constituição, e não apenas pelos Departamentos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below