9 de Junho de 2008 / às 15:26 / 9 anos atrás

Espanhóis quebram pára-brisas contra preço do diesel

<p>Espanh&oacute;is quebram p&aacute;ra-brisas contra pre&ccedil;o do diesel. Motoristas de caminh&atilde;o da Espanha quebraram p&aacute;ra-brisas e caminhoneiros portugueses bloquearam estradas na segunda-feira como parte dos protestos gerados pela acentuada eleva&ccedil;&atilde;o do pre&ccedil;o dos combust&iacute;veis em toda a Europa. 9 de junho. Photo by Vincent West</p>

Por Andrew Hay

MADRI (Reuters) - Motoristas de caminhão da Espanha quebraram pára-brisas e caminhoneiros portugueses bloquearam estradas na segunda-feira como parte dos protestos gerados pela acentuada elevação do preço dos combustíveis em toda a Europa.

Os motoristas espanhóis e portugueses deram início a uma greve por tempo indeterminado. E também houve protestos na fronteira com a França devido à disparada do preço do petróleo, atualmente em um patamar recorde.

Com medo de que falte gasolina, muitos espanhóis formaram longas filas em postos, esgotando o estoque de algumas cidades. Filas também surgiram em supermercados da Espanha e de Portugal depois de os caminhoneiros terem dito que esses locais ficariam sem alimentos frescos dentro dos próximos dias.

Caminhões enfileiraram-se por mais de 8 quilômetros do lado francês da fronteira depois de piqueteiros espanhóis terem quebrado os pára-brisas e os faróis de motoristas que tentaram furar a greve, entrando na Espanha.

“Ninguém está conseguindo mais ganhar um salário decente. Nem os caminhoneiros e nem os pescadores. Ninguém. E alguém tem de encontrar uma solução para isso”, afirmou Jaime Diaz, presidente da Confederação Nacional do Transporte Rodoviário, uma entidade espanhola.

Os motoristas da Espanha fecharam a saída de centros de distribuição enquanto exigem do governo que baixe o imposto sobre a circulação de mercadorias a fim de compensar pelo aumento de 35 por cento no preço do petróleo nos últimos 12 meses.

Na França, caminhoneiros impediram veículos de entrarem na Espanha pela cidade fronteiriça de Perthus, e 200 caminhões atravancaram o tráfego em Bordeaux a fim de demandar do governo que permita aos motoristas comprarem diesel a preços menores.

Em Portugal, um grupo de caminhoneiros ameaçou fechar as estradas principais do Algarve a fim de evitar que as mercadorias cheguem a essa região.

Manifestações e greves em toda a Ásia já obrigaram países com economia em franca expansão, como a Índia, a Malásia e a Indonésia, a elevarem os subsídios gastos com os combustíveis com vistas a diminuir o impacto dos altos preços.

Na Caxemira, na segunda-feira, policiais usaram canhões de água e cassetetes para dispersar centenas de funcionários públicos que protestavam devido ao elevado custo do petróleo. Ao mesmo tempo, uma greve geral paralisava o Estado de Assam (nordeste da Índia).

O aumento dos preços faz com que as taxas de inflação atinjam recordes de alta na Ásia e em 15 países da zona do euro. Bancos centrais de vários desses países anunciaram a possibilidade de aumentar suas taxas de juro para enfrentar o problema.

Reportagem de Andrew Hay e Emma Pinedo em Madri, Tamora Vidaillet em Paris e Axel Bugge em Lisboa

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below