9 de Setembro de 2008 / às 18:56 / 9 anos atrás

Furacão Ike derruba construções em Havana

Por Jeff Franks

HAVANA, 9 de setembro (Reuters) - O furacão Ike derrubou construções mal conservadas de Havana e atravessava na terça-feira o oeste de Cuba, região que ainda se recupera dos danos provocados pelo violento Gustav.

O Ike realizava assim sua segunda passagem pelo território cubano seguindo um caminho que pode levá-lo para longe da área principal de extração de petróleo do golfo do México.

Chuvas intensas atingiram a capital cubana enquanto o furacão, no limite da Categoria 1 da escala Saffir-Simpson (de cinco níveis), com ventos de 120 quilômetros por hora, locomovia-se pela província de Pinar del Rio (ponta oeste da ilha).

Havana, uma cidade de 2 milhões de habitantes localizada na costa noroeste de Cuba, possui muitas habitações bonitas mas mal conservadas, sujeitas a desmoronar sob condições meteorológicas adversas.

Autoridades disseram que 16 construções caíram na terça-feira, mas não houve registro de feridos. Cerca de 250 mil pessoas foram retiradas de áreas de baixa altitude e de habitações frágeis antes da chegada do Ike.

"Parece que Havana foi invadida por um exército de fantasmas", afirmou Maria Valdez, moradora da cidade.

O caminho que o Ike deve seguir o levaria para a costa norte-americana, na altura do Texas, perto da fronteira com o México, região à qual chegaria no sábado -- ficando assim longe da área que concentra as 4.000 plataformas marítimas responsáveis por produzir 25 por cento do petróleo e 15 por cento do gás natural norte-americanos.

Os preços futuros do petróleo diminuíram mais de 2 dólares, ficando abaixo dos 105 dólares, quando o Ike mudou de curso. Mas as empresas do setor continuam a fazer preparativos para enfrentar a tempestade.

A BP Plc (BP.L) afirmou estar paralisando todas as suas operações no golfo e retirando os funcionários das plataformas.

Enfraquecido, o furacão atingiu a costa noroeste de Cuba depois de provocar muita destruição nas províncias do leste, derrubando árvores, destruindo casas e cortando linhas de transmissão de energia.

A capital ficou coberta com pedaços de árvores, folhas e destroços enquanto os ventos sopravam pelas ruas desertas.

Os danos provocados pelo Ike podem somar algo entre 3 bilhões e 4 bilhões de dólares, segundo "algumas fontes oficiais", disse em Genebra Elisabeth Byrs, do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários.

Segundo meios de comunicação cubanos, quatro pessoas morreram na tempestade. Dois homens foram eletrocutados quando tentaram tirar uma antena que caiu sobre uma linha de força. Uma mulher morreu quando a casa dela ruiu, e um homem foi esmagado quando uma árvore caiu sobre a casa dele.

Mortes provocadas por furacões são algo raro em Cuba, cujo governo realiza grandes operações de retirada.

O Ike atingiu o território cubano pela segunda vem em Punta la Capitania, na parte oeste de Pinar del Rio, na terça-feira de manhã.

Reportagem adicional de Esteban Israel, Marc Frank, Rosa Tania Valdes e Nelson Acosta em Havana, Stephanie Nebehay em Geneva, Jim Loney em Miami

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below