5 de Abril de 2008 / às 18:44 / em 10 anos

Argentina faz hora extra para reabastecer carne

BUENOS AIRES (Reuters) - Setenta e duas horas depois de ter finalizado uma forte paralisação agropecuária que deixou milhões de cidadãos sem alimentos, o mercado argentino de gado recebeu neste sábado aproximadamente 9.000 cabeças, em um dia de negócios não habitual que busca normalizar a oferta local de carne.

A decisão de comercializar bovinos neste final de semana se somou a outros esforços para compensar os grevistas que provocaram 21 dias de protesto e bloqueios de estradas, na maior crise política que o país viveu nos últimos 5 anos.

Desde que os sindicatos rurais suspenderam a paralisação --iniciada em protesto por um aumento de impostos às exportações de grãos-- para abrir uma janela de negociações com o governo, muitos argentinos respiraram tranquilos: a carne, o alimento emblemático do país, voltaria para a mesa.

O país tem o maior consumo de carne per capita do mundo, com 65 quilogramas anuais, um valor muito superior ao das nações que o sucedem.

No mercado de Liniers entraram no sábado 8.842 animais, longe dos quase 14.000 animais que entraram na sexta-feira, a maior entrada desde de 8 de janeiro.

Os preços do dia registraram uma leve baixa depois da escalada registrada no comércio varejista de carne, embora o abastecimento não tenha sido normalizado.

A paralisação do comércio e transporte de grãos de um dos maiores exportadores de matérias-primas agrícolas do mundo gerou altas nos preços internacionais.

Reportagem de Damián Wroclavsky

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below