May 6, 2008 / 9:14 PM / 10 years ago

PANORAMA2-Inflação pressiona juros futuros e devolve realidade

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 6 de maio (Reuters) - A inflação ao consumidor encerrou de vez o bom humor do mercado após o grau de investimento, pressionando os juros futuros com a perspectiva de uma Selic mais alta no final deste ano.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe acelerou para 0,54 por cento em abril, após ter registrado alta de 0,34 por cento em março.

O dado antecipa a expectativa do mercado com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que será divulgado na sexta-feira. O IPCA é usado pelo governo como referência para a política monetária.

“Acreditamos que os dados divulgados continuam compatíveis com uma demanda e uma economia vigorosas, o que estaria em linha com nossa projeção de mais cinco altas de 0,5 ponto percentual” na taxa básica de juro, comentaram Paulo Leme e Luis Cezario, analistas do Goldman Sachs, em relatório.

O relatório sobre a produção industrial veio mais suave, com alguma desaceleração do setor no primeiro trimestre. Nada, porém, que possa sinalizar uma demanda mais fria, segundo analistas. No período, a produção cresceu 6,3 por cento em relação ao primeiro trimestre do ano passado —abaixo da expansão de 7,9 por cento do quarto trimestre de 2007.

Outros mercados tiveram uma sessão menos movimentada. O dólar e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fecharam praticamente estáveis, depois de oscilar de olho nos mercados internacionais.

Em Wall Street, o setor de energia foi um dos destaques, impulsionado pelo novo recorde do petróleo. O setor financeiro também teve bom desempenho após comentários positivos da concessora de hipotecas Fannie Mae FNM.

Veja como encerraram os principais mercados nesta terça-feira:

CÂMBIO BRBY

O dólar terminou a 1,661 real, em leve alta de 0,12 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 2,69 bilhões de dólares.

BOLSA .BVSP

O Ibovespa fechou praticamente estável, com oscilação positiva de 0,03 por cento, a 70.195 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 6,9 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS .BR20

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 0,17 por cento, aos 42.240 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) fecharam em alta na BM&F. O DI janeiro de 2009 subiu a 12,89 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 avançou a 13,93 por cento.

GLOBAL 40 BRAGLB40=RR

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, recuava para 136,625 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 4,94 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS 11EMJ

No final da tarde, o risco Brasil recuava a 193 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 244 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones .DJI subiu 0,40 por cento, a 13.020 pontos. O Nasdaq .IXIC avançou 0,78 por cento, para 2.483 pontos. O índice S&P 500 .SPX teve valorização de 0,77 por cento, aos 1.418 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS US10YT=RR

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, recuou e o rendimento avançou para 3,92 por cento no final da tarde.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

Reportagem adicional de Aluísio Alves e Vanessa Stelzer; Edição de Alexandre Caverni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below