8 de Agosto de 2008 / às 13:59 / 9 anos atrás

Petrobras paga US$400 mi por ativos da Exxon no Chile

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras comprou por cerca de 400 milhões de dólares os ativos da norte-americana ExxonMobil no Chile, que incluem a participação na Esso Chile Petrolera e em outras empresas chilenas associadas.

A transferência do controle deverá ocorrer no segundo trimestre de 2009.

“O negócio faz parte da estratégia da Petrobras de consolidar sua presença na América do Sul”, disse a jornalistas o diretor internacional da estatal brasileira, Jorge Luiz Zelada, após o anúncio da compra, nesta sexta-feira.

Ele negou que estivesse negociando no momento a compra dos ativos da Exxon também no Uruguai, mas não descartou interesse. “Quando aparecem oportunidades a gente analisa, mas não estamos em negociação com o Uruguai”, afirmou.

Segundo Zelada, as empresas adquiridas no Chile não possuem dívidas e o pagamento será feito com recursos próprios da Petrobras ao longo do período de transição.

Além do Brasil, a empresa já opera em distribuição na Argentina, Colômbia, Paraguai e no Uruguai, através de uma rede de cerca de 1.000 postos de serviços. Segundo Zelada, com a compra no Chile a Petrobras elevou para 8.000 postos a sua presença no continente.

O anúncio do negócio foi feito meses depois de a Petrobras ver frustrada a sua intenção de comprar os ativos da Esso no Brasil.

Em abril, a Cosan, gigante do setor açúcar e álcool, levou os ativos de distribuição da norte-americana no país por 826 milhões de dólares.

Após a Cosan ter adquirido os ativos da Esso, a Petrobras afirmou que mantinha interesse nas operações de distribuição Da companhia dos EUA no Chile e Uruguai.

O acordo no Chile abrange o negócio de combustíveis nos mercados de varejo, industrial e de aviação.

Entre os ativos estão: 230 postos de serviços, dos quais 109 próprios; distribuição e venda de combustíveis em 11 aeroportos; seis terminais de distribuição de combustíveis, sendo quatro próprios e dois em joint venture.

Zelada informou que a bandeira Esso será trocada totalmente “em dois ou três anos” e a previsão é de investimentos de 90 milhões de dólares nos próximos cinco anos (2008-2012).

O negócio prevê ainda a participação acionária de 22 por cento na Sociedad Nacional de Oleoductos e de 33,3 por cento na Sociedad de Inversiones de Aviación.

As operações de químicos, de lubrificantes e de produtos especiais da ExxonMobil no Chile não fazem parte do acordo.

As operações adquiridas no Chile registraram volumes de vendas, em 2007, de aproximadamente 74, 40 e 20 mil metros cúbicos/mês nos segmentos varejo, industrial e aviação, respectivamente.

Segundo a Petrobras, a participação das empresas negociadas nos mercados de varejo e industrial é de 16 por cento e 14 por cento, respectivamente.

“O negócio reforça a imagem da Petrobras no exterior, especialmente no Chile, para onde exportamos, em 2007, petróleo, GLP, gás natural, petroquímicos e lubrificantes, totalizando cerca de 1,5 bilhão dólares”, disse mais cedo a empresa em um comunicado.

Reportagem de Roberto Samora e Denise Luna; edição de Fabio Murakawa

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below