May 8, 2008 / 9:19 PM / 11 years ago

PANORAMA2-Incerteza com postura do governo eleva volatilidade

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 8 de maio (Reuters) - A incerteza do mercado brasileiro com o comportamento do governo interferiu nas operações desta quinta-feira, com volatilidade nos mercados de câmbio e juros futuros.

O dólar teve o quarto dia seguido de alta, se aproximando do patamar de 1,70 real. Os investidores continuam cautelosos com a possibilidade de que o governo adote medidas para conter uma esperada apreciação do real após o grau de investimento recebido na semana passada.

Nos últimos dias, a atenção do mercado está mais voltada para a criação de um fundo soberano pelo país. O aumento da tributação sobre estrangeiros em títulos públicos ou a adoção de medidas de controle de capital foram descartadas no momento pelo governo e têm tido menos influência sobre os agentes.

Mesmo assim, a expectativa também interferiu sobre os juros futuros, que tiveram bastante oscilação. As taxas subiram ao final do dia com mais uma leitura de inflação aquecida —dessa vez, do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S).

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reiterou em nota que “todo o governo federal tem como objetivo manter a inflação sob controle” e negou que seja tolerante com a alta dos preços, rejeitando manchete dada pelo jornal Valor Econômico a entrevista concedida por ele.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) passou ao largo dessa discussão e fechou em alta de 1 por cento. O índice foi amparado pelos setores ligados a commodities e pela alta das bolsas de valores norte-americanas.

Ainda pela manhã, o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco da Inglaterra mantiveram as taxas básicas de juro em 4 e 5 por cento ao ano, respectivamente, em linha com as expectativas do mercado.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quinta-feira:

CÂMBIO BRBY

O dólar terminou a 1,694 real, em alta de 0,24 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 4,554 bilhões de dólares.

BOLSA .BVSP

O Ibovespa subiu 1,02 por cento, a 69.722 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 5,3 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS .BR20

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 0,61 por cento, aos 41.150 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) fecharam em alta na BM&F. O DI janeiro de 2009 subiu a 13,02 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 avançou a 14,14 por cento.

GLOBAL 40 BRAGLB40=RR

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subiu para 136,500 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 4,95 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS 11EMJ

No final da tarde, o risco Brasil avançou a 212 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 263 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones .DJI subiu 0,41 por cento, a 12.866 pontos. O Nasdaq .IXIC teve alta de 0,52 por cento, para 2.451 pontos. O índice S&P 500 .SPX registrou valorização de 0,37 por cento, aos 1.397 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS US10YT=RR

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, avançaram e o rendimento caiu para 3,78 por cento no final da tarde.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

Reportagem adicional de Vanessa Stelzer e Aluísio Pereira; Edição de Alexandre Caverni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below