8 de Maio de 2008 / às 21:19 / 9 anos atrás

PANORAMA2-Incerteza com postura do governo eleva volatilidade

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 8 de maio (Reuters) - A incerteza do mercado brasileiro com o comportamento do governo interferiu nas operações desta quinta-feira, com volatilidade nos mercados de câmbio e juros futuros.

O dólar teve o quarto dia seguido de alta, se aproximando do patamar de 1,70 real. Os investidores continuam cautelosos com a possibilidade de que o governo adote medidas para conter uma esperada apreciação do real após o grau de investimento recebido na semana passada.

Nos últimos dias, a atenção do mercado está mais voltada para a criação de um fundo soberano pelo país. O aumento da tributação sobre estrangeiros em títulos públicos ou a adoção de medidas de controle de capital foram descartadas no momento pelo governo e têm tido menos influência sobre os agentes.

Mesmo assim, a expectativa também interferiu sobre os juros futuros, que tiveram bastante oscilação. As taxas subiram ao final do dia com mais uma leitura de inflação aquecida --dessa vez, do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S).

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reiterou em nota que “todo o governo federal tem como objetivo manter a inflação sob controle” e negou que seja tolerante com a alta dos preços, rejeitando manchete dada pelo jornal Valor Econômico a entrevista concedida por ele.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) passou ao largo dessa discussão e fechou em alta de 1 por cento. O índice foi amparado pelos setores ligados a commodities e pela alta das bolsas de valores norte-americanas.

Ainda pela manhã, o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco da Inglaterra mantiveram as taxas básicas de juro em 4 e 5 por cento ao ano, respectivamente, em linha com as expectativas do mercado.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quinta-feira:

CÂMBIO BRBY

O dólar terminou a 1,694 real, em alta de 0,24 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 4,554 bilhões de dólares.

BOLSA .BVSP

O Ibovespa subiu 1,02 por cento, a 69.722 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 5,3 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS .BR20

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 0,61 por cento, aos 41.150 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) fecharam em alta na BM&F. O DI janeiro de 2009 subiu a 13,02 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 avançou a 14,14 por cento.

GLOBAL 40 BRAGLB40=RR

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subiu para 136,500 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 4,95 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS 11EMJ

No final da tarde, o risco Brasil avançou a 212 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 263 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones .DJI subiu 0,41 por cento, a 12.866 pontos. O Nasdaq .IXIC teve alta de 0,52 por cento, para 2.451 pontos. O índice S&P 500 .SPX registrou valorização de 0,37 por cento, aos 1.397 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS US10YT=RR

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, avançaram e o rendimento caiu para 3,78 por cento no final da tarde.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

Reportagem adicional de Vanessa Stelzer e Aluísio Pereira; Edição de Alexandre Caverni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below