11 de Julho de 2008 / às 20:30 / 9 anos atrás

PANORAMA2-Crise imobiliária dos EUA tumultua mercado

Por Daniela Machado e Silvio Cascione

SÃO PAULO, 11 de julho (Reuters) - O temor de mais problemas no já turbulento mercado imobiliário norte-americano atingiu em cheio os investidores nesta sexta-feira.

As agências de hipotecas Fannie Mae FNM.N e Freddie Mac FRE.N estiveram no olho do furacão, ameaçadas por restrições de capital diante do aumento da inadimplência e das execuções.

Até mesmo o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, tratou publicamente do tema e garantiu que as autoridades estão "trabalhando duro" para resolver os problemas.

As preocupações arrastaram as principais bolsas de valores para o vermelho. O índice Dow Jones chegou a operar abaixo dos 11 mil pontos pela primeira vez desde julho de 2006.

O mercado chegou a engrenar uma breve recuperação depois que uma fonte disse que Ben Bernanke, chairman do Federal Reserve, garantiu o acesso da Fannie Mae e da Freddie Mac à linha emergencial de crédito do BC norte-americano.

O tombo, no entanto, foi inevitável, com queda de cerca de 1 por cento das bolsas no final do dia. No mercado de Treasuries, o custo de proteção da dívida dos títulos do governo dos Estados Unidos atingiu recorde histórico.

O dólar também sofreu com os problemas nos Estados Unidos. A moeda norte-americana caiu em todo o mundo, e no Brasil voltou a ficar perto da fronteira de 1,600 real.

Entre as ações brasileiras, nervos de aço para garantir um bom desempenho apesar do solavanco externo. Um novo recorde do petróleo impulsionou as ações da Petrobras (PETR4.SA), o que deu certa sustentação à Bolsa de Valores de São Paulo.

Já as projeções de juro ficaram sem rumo definido. Apesar da tensão internacional, que elevou as taxas mais curtas, a divulgação de índices mais amenos sobre a inflação aliviou um pouco a preocupação do mercado com a política monetária.

Veja como encerraram os principais mercados nesta sexta-feira:

CÂMBIO BRBY

O dólar terminou a 1,602 real, em baixa de 0,50 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 2,36 bilhões de dólares.

BOLSA .BVSP

O Ibovespa caiu 0,17 por cento, a 60.148 O volume financeiro na bolsa foi de 4,8 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS .BR20

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em baixa de 0,26 por cento, aos 36.562 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) fecharam sem rumo comum na BM&F. O DI janeiro de 2009 ficou estável a 13,39 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 caiu a 15,09 por cento.

GLOBAL 40 BRAGLB40=RR

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, recuava para 131,375 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 5,58 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS 11EMJ

No final da tarde, o risco Brasil declinava 11 pontos, a 238 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 297 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones .DJI perdeu 1,14 por cento, a 11.100 pontos. O Nasdaq .IXIC recuou 0,83 por cento, para 2.239 pontos. O índice S&P 500 .SPX teve baixa de 1,11 por cento, aos 1.239 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS US10YT=RR

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, caía e o rendimento subia para 3,96 por cento no final da tarde ante 3,8 por cento na véspera.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

Reportagem adicional de Fabio Gehrke, Vanessa Stelzer e Rodolfo Barbosa

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below