14 de Julho de 2008 / às 10:48 / em 9 anos

InBev compra Bud por US$52 bi e cria maior cervejaria do mundo

Por Philip Blenkinsop e Martinne Geller

BRUXELAS/NOVA YORK (Reuters) - A cervejaria norte-americana Anheuser-Busch aceitou a oferta melhorada de compra, no valor de 52 bilhões de dólares, feita pela belgo-brasileira InBev . A operação criará a maior cervejaria do mundo e encerra uma batalha de aquisição que já durava um mês.

A InBev, que fabrica cervejas como a Stella Artois e a Brahma e foi formada pela união da brasileira AmBev com a belga Interbrew, aceitou pagar 70 dólares por ação para a fabricante da Budweiser, afirmaram as duas empresas nesta segunda-feira. O valor é maior que a oferta inicial de 65 dólares por ação.

A oferta melhorada representa um prêmio de 27 por cento sobre o valor recorde das ações da Anheuser, registrado em outubro de 2002.

O acordo, que analistas acreditam que receberá aprovação de autoridades regulatórias, será o maior da indústria e a terceira maior aquisição de uma empresa norte-americana na história.

A companhia combinada Anheuser-Busch Inbev terá vendas anuais de cerca de 36,4 bilhões de dólares, dos quais cerca de 40 por cento nos EUA, e produzirá cerca de um quarto da cerveja produzida no mundo. O presidente-executivo da InBev, o brasileiro Carlos Brito, será o presidente-executivo da nova companhia enquanto a Anheuser terá duas cadeiras no conselho de administração.

Brito afirmou em webcast que a beleza do negócio está em adicionar a participação de mercado da Anheuser de cerca de 50 por cento nos EUA e transformar a Budweiser em uma marca global.

“Trata-se de complementariedade, não de sobreposição”, disse o executivo.

A cidade-sede da Anheuser, St. Louis, no Missouri, será o quartel-general das operações na região da América do Norte e sede mundial da marca Budweiser. As companhias informaram que todas as 12 fábricas da Anheuser continuarão abertas.

FIM AMIGÁVEL

O acordo trás uma solução amigável para uma saga de um mês que estava se tornando cada vez mais hostil enquanto as empresas trocavam processos e a InBev tentava substituir o conselho de administração da Anheuser.

O presidente-executivo da Anheuser-Busch, August Busch IV, tinha afirmado que não venderia a companhia e Brito tinha dito que não aumentaria sua oferta.

As ações da InBev exibiam alta de 3,4 por cento, cotadas a 46,02 euros na manhã nesta segunda-feira.

“As sinergias são melhores que as esperadas, 70 dólares é um preço razoável e a InBev evitou uma batalha longa nos tribunais”, disse o analista Wim Hoste, da KBC Securities, em Bruxelas.

As companhias informaram que a combinação renderá sinergias de custos de pelo menos 1,5 bilhão de dólares anuais até 2011.

A InBev financiará a aquisição com uma dívida de 45 bilhões de dólares, que inclui um empréstimo-ponte de 7 bilhões de dólares financiado por desinvestimentos. A empresa também tem seis meses para determinar o financiamento em ativos de um outro empréstimo-ponte de até 9,8 bilhões de dólares.

A analista Ann Gilpin, do Morningstar, informou que cada lado terá benefícios com a operação.

“A Anheuser-Busch conhece o mercado norte-americano muito melhor que a InBev, então a InBev precisa manter os principais administradores da Anheuser para comercialização e distribuição”, disse ela.

Para Gilpin, as ações da Anheuser valiam apenas 57 dólares, mas ela disse que 70 dólares foi um valor justo uma vez que a InBev poderá cortar custos e distribuir a Budweiser e a Bud Light, as cervejas mais vendidas do mundo, fora dos EUA.

A transação, a ser completada no final do ano, deve ter um efeito neutro em termos de lucro por ação em 2009 e ampliar os ganhos a partir de 2010, informaram as empresas.

Acrescentando outra dimensão ao acordo está a maior cervejaria do México, Grupo Modelo, que é 50 por cento controlado pela Anheuser. O Modelo, que produz a cerveja Corona, informou que está negociando com a InBev.

Depois da fusão, a InBev retomará a liderança do mercado mundial que havia perdido ano passado para a britânica SABMiller, que foi impulsionada por forte crescimento na China pela compra da Grolsch.

Reportagem adicional de Jessica Hall

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below