15 de Abril de 2008 / às 19:16 / em 10 anos

Dólar cai ante real com fluxo e calmaria em bolsas

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda pelo segundo dia consecutivo nesta terça-feira, repercutindo a entrada de recursos no país, a expectativa de uma alta iminente do juro e o bom humor nas bolsas internacionais.

A moeda norte-americana terminou o dia a 1,684 real, com baixa de 0,24 por cento. Em abril, o dólar acumula queda de 3,94 por cento --só subiu em uma sessão no mês.

“Alguns dados nos Estados Unidos surpreenderam positivamente o mercado. Isso ajudou bastante, até porque os investidores mostraram apetite”, disse Tarcísio Rodrigues, diretor de câmbio do Banco Paulista, em referência à estabilização da indústria após uma retração e à alta tímida dos preços no atacado --excluindo alimentos e energia.

À tarde, o risco Brasil exibia baixa de 8 pontos-básicos, novamente abaixo de 250 pontos. As bolsas em Nova York e em São Paulo operavam em alta.

Rodrigues também lembrou que o dólar tem sofrido a influência da provável alta do juro básico na quarta-feira. Se confirmada pelo Banco Central, a elevação da Selic aumentará o espaço para operações de arbitragem, que lucram com a diferença entre o juro praticado no Brasil e no exterior.

“Está todo mundo verificando a (influência da) arbitragem por conta do juro. Hoje a entrada (de dólares) foi um pouco mais forte por causa disso também”, acrescentou.

Mas a queda da moeda norte-americana tem sido limitada pelo interesse de alguns agentes que, com bilhões de dólares acumulados, não querem ver a moeda perder valor rapidamente.

“Continua havendo uma certa ‘resistência’ por parte dos bancos, que detêm ainda posições compradas (no mercado à vista), no sentido de inibir uma queda mais abrupta do preço da moeda”, escreveu Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora, em relatório.

De acordo com o BC, as instituições financeiras carregavam quase 10 bilhões de dólares no mercado à vista no final de março. Dados da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), porém, mostram que outros agentes, os investidores estrangeiros, já conseguiram se desfazer de parte dos dólares comprados no mercado futuro --na véspera, a posição comprada era de pouco mais de 2,5 bilhões de dólares.

Rodrigues também vê essa resistência, mas ressalva que ela não tem força para enfrentar a tendência de valorização do real. “Não tem o mesmo poder de fogo do investidor estrangeiro e do investimento direto”.

Na metade da sessão, o BC comprou dólares no mercado à vista, com taxa de corte de 1,6831 real e até cinco propostas aceitas, segundo operadores.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below