16 de Abril de 2008 / às 19:55 / 10 anos atrás

Dólar cai e tem menor fechamento em 9 anos antes de Copom

Por Fabio Gehrke

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em seu menor nível desde maio de 1999 nesta quarta-feira, acompanhando o otimismo dos mercados acionários e com a expectativa de alta na taxa básica de juro brasileira.

A moeda norte-americana caiu 1,19 por cento, a 1,664 real. Com desvalorização acumulada em mais de 5 por cento em abril, e teve seu menor fechamento desde 18 de maio de 1999.

As bolsas norte-americanas operavam em alta de mais de 2 por cento, após a divulgação de bons resultados corporativos.

“Hoje as coisas estão boas”, disse Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora de Câmbio, acrescentando que o Brasil ainda leva vantagem por sua recente estabilidade, “sendo olhado pelo investidor como uma grande fonte de lucro”.

“Os efeitos da crise externa estão sendo muito pequenos aqui, chamando a atenção do investidor”, afirmou o gerente.

O risco-país caía 20 pontos, a 225 pontos básicos, no fechamento do mercado cambial.

Segundo Carlos Alberto Postigo, operador de câmbio do Banco Paulista, o movimento que se observa nesta sessão é fruto também das expectativas com a reunião desta quarta-feira do Copom.

“(A queda de hoje) é um movimento que se iniciou nos últimos dias por conta de uma possível majoração dos juros internos”, afirmou Postigo ressaltando que o possível aumento da taxa Selic favorece as operações de arbitragem, que aproveitam para lucrar com o diferencial dos juros praticados interna e externamente.

Os recentes dados sobre a inflação brasileira têm levado o mercado a esperar por um aumento de pelo menos 0,25 por cento na taxa de juro. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central divulga nesta quarta-feira apó o fechamento dos negócios sua decisão sobre a taxa Selic.

Galhardo também ressaltou que os dados divulgados nos Estados Unidos pressionaram a moeda norte-americana à medida que deram mais espaço para o Federal Reserve abaixar ainda mais os juros norte-americanos, incentivando o fluxo de entrada de recursos no Brasil.

O governo norte-americano divulgou nesta quarta-feira que os preços ao consumidor aceleraram menos do que o esperado pelo mercado, o que impulsionou a cotação de diversas moedas frente ao dólar.

“Estamos acompanhando um movimento global. O euro também está subindo”, disse o gerente.

No meio da sessão, o BC revelou um fluxo cambial positivo em 5,435 bilhões de dólares nas primeiras semanas de abril. Em março o fluxo ficou positivo em 8,051 bilhões de dólares. No ano, o país acumula 14,374 bilhões de dólares em entradas líquidas.

Edição de Vanessa Stelzer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below