16 de Setembro de 2008 / às 21:12 / 9 anos atrás

Bovespa copia rali final de Wall Street e fecha no azul

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - No encalço da recuperação de última hora em Wall Street, a Bolsa de Valores de São Paulo fechou a terça-feira em alta, depois de ter mergulhado para as mínimas em 17 meses durante o pregão.

O Ibovespa encerrou com valorização de 1,68 por cento, aos 49.228 pontos. No pior momento, o índice chegou a cair 4,45 por cento.

A volatilidade calibrou o giro financeiro, que atingiu 6,47 bilhões de reais, o maior em sessões regulares desde o final de julho.

O noticiário sobre o panorama norte-americano foi intenso.

Pela manhã, as ações da seguradora AIG chegaram a cair mais de 60 por cento, com o mercado temendo a insolvência da companhia. Em outra frente, o Goldman Sachs reportou queda de 70 por cento no lucro do terceiro trimestre. No meio da tarde, o Federal Reserve manteve o juro norte-americano em 2,0 por cento ao ano, contrariando previsões de muitos analistas que apontavam um corte.

"Mas, no final da tarde, acabou prevalecendo a avaliação de que se o Fed fez isso é porque se considera mais capaz de contornar a situação", afirmou Álvaro Bandeira, diretor da corretora Ágora.

Já nos minutos finais dos negócios, as bolsas passaram a repercutir rumores --não confirmados-- de que o governo norte-americano estaria preparando um pacote de ajuda à AIG.

Na Bovespa, o sobe-e-desce teve sempre como destaque as ações de empresas ligadas a commodities, as de maior liquidez.

NA COLA DE NY

Petrobras, que chegou a cair mais de 6 por cento, fechou o dia entre as melhores do Ibovespa, com avanço de 5,03 por cento, a 31,30 reais.

A queda do petróleo para o menor nível em sete meses não pesou sobre ações da Petrobras, mas acabou contribuindo para animar os papéis das companhias aéreas. Gol foi a melhor do índice, disparando 9,3 por cento, a 17,10 reais.

Para profissionais do mercado, enquanto não houver sinais de dissipação da crise, a tendência é a Bovespa seguir a volatilidade de Wall Street cada vez mais de perto.

"Como ainda não é possível saber a extensão da crise, os investidores estão se guiando pelo desenrolar dos acontecimentos", disse Cristiano Souza, economista do banco ABN Amro Real.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below