21 de Outubro de 2008 / às 19:26 / 9 anos atrás

CÂMBIO-Dólar salta 5,32% com cenário global e derivativos

(Texto atualizado com mais informações e comentários de analistas)

Por Fabio Gehrke

SÃO PAULO, 21 de outubro (Reuters) - O dólar fechou em forte alta nesta terça-feira, apesar das intervenções do Banco Central, acompanhando o cenário externo de valorização da moeda norte-americana em meio ao mau humor dos principais mercados acionários e as preocupações com derivativos cambiais no Brasil.

A moeda norte-americana BRBY saltou 5,32 por cento, para 2,238 reais.

Segundo Luis Piason, gerente de operações de câmbio da corretora Concórdia, o mercado cambial nacional está seguindo os movimentos do dólar em todo mundo.

"Hoje a alta está exacerbada, mas está seguindo as moedas lá fora", disse ele, ressaltando que apesar dos EUA estarem no núcleo da crise, os investidores estão procurando os treasuries do governo, o que gera demanda por dólares. "E ainda tem uma pressão de saída", acrescentou, sobre o mercado local.

O principal índice da Bovespa .BVSP operou grande parte do dia em queda de mais de 1 por cento, acompanhando o pessimismo das bolsas de valores norte-americanas, virando para o positivo apenas nos momentos finais da sessão.

O Banco Central realizou nesta terça-feira dois leilões de venda de dólares no mercado à vista, além de um leilão de swap cambial.

Apesar das intervenções da autoridade monetária, a cotação do dólar não respondeu e manteve a forte valorização. Para Piason, o BC precisa atuar de forma mais incisiva, com mais volume. "Até agora ele está enxugando gelo".

Segundo Sidnei Nehme, diretor-executivo da NGO Corretora de Câmbio, as atuações do Banco Central no mercado cambial não estão afetando o dólar "pois a taxa (da moeda norte-americana) está sendo puxada artificialmente por especulação".

Nehme explica que os bancos autorizados a participar das medidas do BC não possuem interesse de fornecer linhas para os exportadores, gerando um empoçamento da liquidez.

"Os bancos estão retraídos com o setor exportador, pois existe uma nuvem cinzenta sobre ele", disse Nehme, lembrando que diversos exportadores divulgaram problemas com seus posicionamentos nos mercados futuros de dólar.

Nas últimas semanas, Sadia SDIA4.SA, Aracruz ARCZ6.SA e o Grupo Votorantim anunciaram grandes perdas com apostas na manutenção do dólar em patamares baixos.

O diretor da NGO adverte ainda que o cenário só estará mais claro à medida em que os contratos na Bolsa de Mercadorias & Futuros expirarem.

"Esse mercado de câmbio futuro está prejudicando a inflação, está prejudicando empresas que têm passivos em dólar, fomentando a contração do crédito".

Na véspera, um ministro afirmou à Reuters que o Palácio do Planalto quer que o Banco Central exerça maior fiscalização sobre as operações de derivativos cambiais.

Por Fabio Gehrke; Edição de Marcelo Teixeira

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below