25 de Setembro de 2008 / às 12:25 / em 9 anos

ATUALIZA 2-PIB em alta garante queda forte do desemprego no país

(Texto atualizado com comentários do IBGE, contexto)

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO, 25 de setembro (Reuters) - O forte ritmo de atividade da economia brasileira, apesar do turbulento cenário internacional, garantiu uma queda acentuada da taxa de desemprego em agosto, e os números indicam que um novo recorde de baixa deve ser registrado em breve.

De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira, a taxa de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país caiu para 7,6 por cento em agosto, a segunda menor taxa registrada na série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo.

Para Cimar Azeredo Pereira, economista do instituto, o recorde de baixa registrado em dezembro do ano passado, quando o desemprego atingiu 7,4 por cento, deve ser batido em breve.

“Pelo bom momento da economia... é bem possível que o recorde seja batido antes de dezembro, que é um mês imabatível”, afirmou.

A economia brasileira vem mantendo um forte ritmo de atividade. No segundo trimestre do ano, o Produto Interno Bruto (PIB) do país surpreendeu, ao registrar um crescimento de 6,1 por cento em relação ao apurado no mesmo período do ano passado.

Analistas apostam que o país encerrrá o ano com um crescimento econômico de 5,17 por cento, de acordo com pesquisa divulgada pelo Banco Central na segunda-feira.

A queda do desemprego em agosto foi mais forte do que o mercado esperava. Analistas consultados pela Reuters esperavam que a taxa ficasse em 8,0 por cento no mês passado, depois de ter atingido 8,1 por cento em julho.

De janeiro a agosto, a taxa média de desemprego no Brasil está em 8,2 por cento, bem abaixo dos 9,8 por cento observados no mesmo período do ano passado. Em 2007 como um todo, essa média foi de 9,3 por cento.

MAIS TRABALHO, MAIS RENDA

Segundo o IBGE, entre julho e agosto foram gerados 152 mil postos de trabalho nas regiões metropolitanas pesquisadas. Na comparação com agosto do ano passado, a criação de empregos somou 771 mil postos.

A taxa total de pessoas empregadas subiu 0,7 por cento de julho para agosto, para 21,8 milhões de pessoas. Na comparação com agosto de 2007, o aumento foi de 3,7 por cento.

O total de desempregados, por sua vez, caiu 6,1 por cento em relação a julho e 19,2 por cento frente ao apurado no mesmo período do ano passado, somando um total de 1,8 milhão de pessoas.

Para o economista do IBGE, um fator importante no aumento da geração de emprego no país é a maior formalização dos postos que têm sido criados.

“Há uma mudança estrutural no mercado de trabalho. O cenário econômico brasileiro favorece, e a fiscalização aumentou”, avaliou Cimar Pereira.

Além da redução no desemprego, a renda real do trabalhador cresceu 2,1 por cento ante julho, o maior avanço percentual desde julho de 2005, de acordo com os cálculos do IBGE. Na comparação com agosto de 2007, o aumento foi de 5,7 por cento, o melhor resultado desde junho de 2006.

O salário médio em agosto ficou em 1.253,70 reais, de acordo com o IBGE.

“Tem pessoas entrando na indústria, que paga mais. Há mais gente com carteira assinada e a inflação recuou no período”, comentou Cimar Pereira.

Texto de Renato Andrade; edição de Alexandre Caverni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below