for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Mercado vê inflação em 2008 próxima ao teto da meta

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado financeiro brasileiro acredita que a inflação em 2008 deve ficar próxima ao teto da meta definida pelo governo, mostrou pesquisa divulgada nesta segunda-feira.

No levantamento semanal feito pelo Banco Central, os analistas consultados elevaram para 6,30 por cento, ante 6,08 por cento, a estimativa para a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2008.

A meta de inflação deste ano é de 4,5 por cento, com margem de variação de 2 pontos percentuais, para cima ou para baixo. O teto da meta, portanto, é de 6,5 por cento.

O Banco Central, em seu Relatório de Inflação do segundo trimestre --divulgado na semana passada--, elevou para 6 por cento sua estimativa para a alta do IPCA em 2008 e afirmou que existe 25 por cento de chance do teto da meta ser ultrapassado.

O cenário traçado pelos economistas ouvidos pelo BC para a inflação em 2009 é melhor, mas ainda assim segue sendo elevado semanalmente. De acordo com o mais recente levantamento, as projeções indicam uma inflação de 4,80 por cento, ante 4,78 por cento projetados na pesquisa anterior.

O BC estima uma alta de 4,7 por cento para o IPCA no próximo ano, segundo dados do Relatório de Inflação.

A meta para 2009 também é de 4,5 por cento, com margem de variação de 2 pontos percentuais.

Nesta segunda-feira, o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reúne para definir a meta de 2010. Economistas consultados pela Reuters acreditam que ela deve repetir o que foi fixado nos últimos anos.

O levantamento semanal do BC mostrou ainda que a estimativa para o patamar da taxa de juro ao final do ano ficou mantido em 14,25 por cento, mas a previsão para dezembro de 2009 foi elevada de 13,00 por cento para 13,50 por cento.

Isso significa que a taxa de juro deve ficar em patamar elevado por mais tempo do que o anteriormente previsto. A queda, quando iniciada, será mais gradual.

Em termos de crescimento econômico, as projeções dos analistas não sofreram alterações. Em 2008, o Produto Interno Bruto (PIB) do país deve crescer 4,80 por cento. Para o próximo ano, a estimativa é uma expansão de 4 por cento.

Por Renato Andrade

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up