for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Marinha diz que derrame de petróleo por navio é causa mais provável de manchas

Manchas de óleo em areia da praia de Peroba, em Maragogi 17/10/2019 REUTERS/Diego Nigro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A causa mais provável das manchas de óleo que têm atingido o litoral do Nordeste brasileiro é um derrame provocado por alguma embarcação que navegava pela costa do país, e não há indicação de vazamento no fundo do oceano, afirmou nesta quarta-feira o comandante da Marinha, Ilques Barbosa Junior.

Segundo o comandante, uma “exsudação de petróleo no fundo do mar é incompatível pelas bacias que temos na nossa área”.

“De imediato, nós tivemos a confirmação de que o óleo não era brasileiro. Isso confirmou: não há exsudação de fundo de oceano, não há problema de plataforma ou terminais nossos ou dos nossos navios”, acrescentou o comandante em entrevista à Globonews.

O comandante acrescentou que atualmente as investigações se concentram em dez navios suspeitos de terem provocado o derramamento.

“O que nós consideramos como mais provável é um derrame, acidental ou não, de um navio mercante que esteja em trânsito em nossas costas”, afirmou.

“A Polícia Federal, em conjunto com a Marinha do Brasil está atuando firmemente, e nós temos certeza absoluta e convicção de que chegaremos a uma indicação correta do causador dessa tragédia”, acrescentou.

Mais cedo nesta quarta-feira, um pesquisador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), vinculado à Universidade Federal de Alagoas (Ufal), disse que as manchas de petróleo podem ter origem em um grande vazamento abaixo da superfície do mar.

Por Pedro Fonseca

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up