for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Índia planeja dificultar importação de equipamento chineses de energia

CHENNAI/BANGALORE (Reuters) - As empresas indianas precisarão de permissão do governo para importar equipamentos e componentes de suprimento de energia da China, disse o Ministério da Energia, em meio às crescentes tensões militares entre os dois países.

Instalação de equipamentos de energia elétrica em Ahmedabad, Índia 25/11/2010 REUTERS/Amit Dave

Há muito a Índia conta com equipamentos chineses para geração e transmissão de energia para fornecer eletricidade a preços acessíveis. Embora as novas regras beneficiem as empresas indianas, também pode encarecer a eletricidade no longo prazo.

O Ministério da Energia disse que a Índia inspecionará todas as importações ligadas ao fornecimento de eletricidade para ver se elas representam ameaça cibernética, acrescentando que busca “proteger a segurança, a integridade e a confiabilidade do sistema e da rede estrategicamente importantes e críticos”.

“Isso é algo que não podemos tolerar, temos um país que transgride e mata nossos soldados e, no entanto, estamos criando empregos lá”, afirmou o ministro do poder, R.K. Singh disse em uma conferência virtual de ministros nesta sexta-feira.

A Índia disse que 20 de seus soldados foram mortos em um confronto em junho com tropas chinesas em uma grande escalada de um impasse entre os dois países no Himalaia ocidental.

A iniciativa do ministério é um impulso para empresas indianas, que pressionam há muito tempo contra o envolvimento chinês no setor de energia, levantando preocupações de segurança e dizendo que não têm acesso recíproco aos mercados chineses.

Singh também disse que o governo vai incentivar compras locais, pedindo às estatais Power Finance e Indian Renewable Energy Development Agency que emprestem a taxas menores às empresas de energia que compram peças e equipamentos na Índia.

As importações da Índia da indústria de energia da China totalizaram 210 bilhões de rúpias (2,81 bilhões de dólares) em 2018/19, disse Singh.

A mudança pode prejudicar os planos da Índia de limpar o ar, já que empresas chinesas vendem unidades de filtagem de gases de combustão, que reduzem emissões de dióxido de enxofre.

A maioria das usinas a carvão indianas deve cumprir prazos para instalar FGDs, e os produtores buscaram uma extensão que está sendo considerada pelo ministério da energia, disse Singh.

A Índia também importa da China itens de células e módulos solares e considera impor um imposto de importação de 20 a 25%.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up