for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Magazine Luiza compra AiQFome e estreia em encomendas de refeições

Placa do Magazine Luiza na frente do centro de distribuição da companhia em Louveira (SP). 24/4/2018. REUTERS/Paulo Whitaker

SÃO PAULO (Reuters) - O Magazine Luiza anunciou nesta quinta-feira a compra do startup de delivery de comida AiQFome, ampliando a prateleira de serviços para tentar a recorrência de uso de seu marketplace.

Com sede em Maringá (PR), o AiQFome atende 350 cidades com uma plataforma de 2 milhões de clientes e 17 mil restaurantes, movimentando cerca de 700 milhões de reais por ano.

O valor da operação não foi revelado. Segundo o diretor financeiro e de relações com investidores do Magazine Luiza, Roberto Bellissimo, o valor não é materialmente relevante.

Além de atender principalmente cidades menores, com população de 15 mil a 300 mil habitantes cada, o AiQFome tem um modelo distinto dos aplicativos de entrega de comida mais conhecidos, como iFood, Rappi e Uber Eats, já que o aplicativo é usado apenas intermediar a encomenda e o pagamento das refeições, enquanto a entrega fica a cargo dos restaurantes.

O AiQFome será integrado ao superapp do Magalu, que nos últimos anos passou a incluir carteira digital e os e-commerces de Netshoes, Zattini e Época Cosméticos, entre outros.

Segundo Bellissimo, o Magazine Luiza começará em breve a fazer testes com o AiQFome incluindo os serviço de entregas, enquanto amplia investimentos no negócio para atender cidades de maior porte.

“Além de ampliar a oferta de serviços do nosso marketplace, o objetivo com a compra é de que o AiQFome aumente a recorrência de uso do nosso superapp”, disse o executivo a jornalistas em transmissão pela internet.

Por Aluísio Alves

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up