13 de Outubro de 2014 / às 20:41 / em 3 anos

Aécio evita falar sobre PMDB e diz que vai construir alianças para projeto de governo

(Reuters) - O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, evitou falar nesta segunda-feira sobre a relação com o PMDB, maior bancada no Senado e segunda maior na Câmara e principal aliado da presidente Dilma Rousseff (PT), com quem o tucano disputa o segundo turno da eleição.

Brazil's Social Democratic Party (PSDB) presidential candidate Aecio Neves waves as he attends a campaign rally in Curitiba October 13, 2014. Business-friendly opposition candidate Neves received a crucial boost in Brazil's presidential election race on Sunday with the endorsement of popular environmentalist Marina Silva two weeks before his runoff against incumbent Dilma Rousseff. REUTERS/Rodolfo Buhrer (BRAZIL - Tags: POLITICS ELECTIONS)

“A minha relação são aquelas forças políticas que estão ao nosso entorno, não apenas políticas e partidárias, mas da sociedade brasileira”, disse Aécio, em Curitiba, reiterando gratidão aos apoios recebidos na etapa final da eleição por PSB, PPS, PV, PSC e por setores de outros partidos, além do endosso da terceira colocada no primeiro turno, Marina Silva (PSB).

Ao mesmo tempo, o tucano disse que, se eleito, “nós vamos, sim, construir através da boa ação política a aliança necessária a dar sustentação ao nosso projeto de governo.”

Na Câmara, a bancada do PMDB, partido do vice-presidente da República Michel Temer, que novamente compõe a chapa encabeçada por Dilma, está dividida no apoio à presidente e ao candidato tucano.

A divisão no PMDB não está sendo vista apenas no Congresso, com peemedebistas brigando no segundo turno pelo governo de alguns Estados ao lado de Aécio. É o caso no Rio Grande do Sul, onde Ivo Sartori (PMDB), que disputa contra o petista Tarso Genro o comando estadual, declarou apoio ao tucano. E também no Ceará, onde o PSDB é aliado formal de Eunício Oliveira (PMDB), que disputará o segundo turno com Camilo Santana (PT).

Meses atrás, a decisão na convenção nacional do PMDB de apoiar a coligação com o PT não foi unânime.

CRÍTICAS A DILMA

Aécio criticou Dilma por não ter apresentado um programa de governo e questionou se ela manterá, se reeleita, o “intervencionismo” na economia.

“A candidata oficial não tem sequer um programa para apresentar para o Brasil. É um grande salto no escuro. Qual será sua política econômica se vencer? A reedição dessa que fracassou? Uma nova que desminta tudo o que foi feito até agora? Que caminho ela vai? Manter o intervencionismo na economia?”, questionou o tucano.

“(Dilma) sinaliza de forma diferente para o mercado para que os investimentos voltem ao Brasil. Será que ela tem capacidade para isso, de resgatar a credibilidade perdida no Brasil? Eu acho que não. Eu acho que perdeu”, afirmou.

Marina Silva (PSB) divulgou seu programa de governo em um ato público durante a campanha e criticava Aécio e Dilma por não terem apresentado os seus.

Aécio, que no domingo recebeu o apoio formal de Marina, resolveu divulgar um programa de governo na última semana antes da votação do primeiro turno.

Dilma, por sua vez, ao ser questionada sobre o tema em uma coletiva, afirmou que seu programa com diretrizes já havia sido encaminhado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e que vem apresentando todas as suas propostas no decorrer da campanha.

MARINA E MUDANÇA

Ao agradecer a manifestação de apoio de Marina em favor de sua candidatura, Aécio voltou a bater na tecla de ele encarna o desejo de mudança da população brasileira.

“Não sou mais o candidato de um partido ou de uma aliança. Eu sou o candidato das mudanças necessárias”, disse a jornalistas,

“Cabe a mim agora ter a capacidade de expressar esse sentimento de mudança para que tenhamos o apoio, não por aqueles que têm simpatia pelo nosso partido ou que acompanharam nossa campanha, mas todos aqueles que têm um ponto de convergência -  o cansaço absoluto, o repúdio a tudo isso que vem acontecendo no Brasil.”

Aécio disse que deve se encontrar com Marina ainda nesta semana e reafirmou que a ex-candidata não “pediu absolutamente nada, em relação a cargos, ao espaço de governo” para declarar seu apoio.

Reportagem de Maria Carolina Marcello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below