29 de Outubro de 2015 / às 21:34 / em 2 anos

Prefeito de Roma desiste de renúncia e desafia premiê italiano

ROMA (Reuters) - O prefeito de Roma, Ignazio Marino, envolvido em um escândalo de gastos, retirou nesta quinta-feira a renúncia que havia proposto há três semanas sob pressão do primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, causando tumulto em seu Partido Democrático (PD).

Prefeito de Roma, Ignazio Marino, concede entrevista coletiva em Roma, na Itália. 20/10/2015 REUTERS/Yara Nardi

Marino continua sem o apoio de Renzi, e sua decisão de permanecer no cargo abre um conflito potencialmente prejudicial para o primeiro-ministro.

Em vez de se curvar à pressão do premiê, Marino disse que vai defender o seu posto na prefeitura, onde parece ter deixado de ter uma maioria, e desafiar os vereadores de seu partido a votar pela saída dele. Ele disse a repórteres que quer “uma discussão aberta, franca e transparente”.

Marino, que tem perdido popularidade desde que foi eleito em 2013, negou qualquer irregularidade quando anunciou sua renúncia em 8 de outubro, após alegações de que teria usado dinheiro da cidade para comer e beber com sua família e amigos no que se tornou conhecido como caso “jantar-gate”.

Ele nunca deixou formalmente o cargo e em sua carta de renúncia original, ele disse que poderia reverter sua decisão se sentisse que o clima político tinha mudado. No entanto, isso não parece ter acontecido.

Renzi se distanciou abertamente de Marino, dizendo que ele “perdeu a confiança dos romanos”.

Por Gavin Jones

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below