November 4, 2018 / 8:14 PM / 14 days ago

Bolsonaro declara guerra à mídia "fake news" e causa apreensão nas redações

BRASÍLIA/SÃO PAULO (Reuters) - Para o presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, de direita, atacar os meios de comunicação críticos quase diariamente nas redes sociais não é suficiente. Uma vez no poder, ele promete atingir a receita desses veículos.

Com meio bilhão de dólares em orçamentos de marketing do setor público a seu critério, o capitão da reserva do Exército está ameaçando reduzir os anúncios destinados a grupos de mídia críticos, atacando os alicerces financeiros da imprensa livre do Brasil.

Depois de uma campanha na qual Bolsonaro rejeitou as reportagens investigativas como “fake news” inventadas por um establishment corrupto e seus partidários perseguiram jornalistas individualmente, as ameaças estão causando preocupações nas redações do país.

Questionado em uma entrevista na TV na semana passada se ele respeitaria a liberdade de imprensa até mesmo do jornal Folha de S.Paulo, o diário de maior circulação do Brasil, a resposta de Bolsonaro foi curta.

“Por si só esse jornal se acabou”, disse Bolsonaro em uma entrevista no Jornal Nacional, da TV Globo. “No que depender de mim, imprensa que se comportar de maneira indigna não terá recursos do governo federal.”

Embora os fundos públicos sejam apenas uma fração da receita na maioria dos principais grupos de mídia, a perspectiva de um presidente agir para punir a cobertura hostil colocou muitos repórteres em alerta.

Vários jornalistas experientes que trabalham para as maiores organizações de notícias do Brasil disseram à Reuters nas últimas semanas que começaram a reprimir suas críticas, temendo a reação de um governo de Bolsonaro - e a violência de seus partidários.

Observadores da imprensa brasileira disseram que houve uma escalada de ameaças e agressões contra jornalistas. O grupo de jornalismo investigativo Abraji começou a rastrear os incidentes nessas eleições, as mais polarizadas do Brasil desde o retorno ao governo civil em 1985, após duas décadas de ditadura militar.

A maioria dos ataques contra jornalistas foi feita por partidários de Bolsonaro, segundo a Abraji, que registrou mais de 150 casos de repórteres de campanha ameaçados. Aproximadamente metade envolvia violência física e o resto eram campanhas de ódio online.

“A tactica de classificar a imprensa como antagônica não é nova. É um mecanismo próprio de políticos. Mas o tom e a frequência com que Bolsonaro se manifesta com essa animosidade é preocupante” disse a coordenadora do grupo, Marina Atoji.

Os defensores de Bolsonaro disseram que a mídia brasileira tem um viés de esquerda e se voltaram para a mídia social em busca de notícias sobre o candidato.

“O mais grave foi insistir em crucificar o Bolsonaro por declarações polêmicas dele sobre mulheres, gays, negros ... e de certa forma proteger o PT”, disse Emilio Kerber, major da Força Aérea Brasileira que concorreu a uma vaga de deputado federal pelo PRP, no Distrito Federal, mas não se elegeu. “O Bolsonaro tem milhões de seguidores nas mídias sociais. Por isso, mesmo sem tempo de TV e dinheiro, se elegeu.”

Assessores de imprensa de Bolsonaro não responderam a um pedido de comentário. O presidente eleito repudiou todos os partidários que recorrem à violência. Ele disse que respeita a liberdade de imprensa e só pede que seja exercido de forma responsável.

PREÇO A PAGAR

Na redação da Folha, a sensação de cerco é palpável.

O editor executivo Sérgio Dávila disse em uma entrevista que o jornal tomou medidas de segurança para proteger seus repórteres após um bombardeio na mídia social feita por apoiadores de Bolsonaro por reportar o uso da plataforma de mensagens WhatsApp por sua campanha.

“Essa é a mais tensa das três eleições recentes porque a massificação do uso das redes sociais fez com que os jornalistas ficassem mais expostos às fontes e aos partidários de todos os candidatos”, disse ele.

“Os eleitores de Bolsonaro são particularmente ativos nas mídias sociais”, disse Dávila, acrescentando que ele nunca viu tanta virulência dirigida a jornalistas individuais sobre matérias específicas.

Ele citou o caso envolvendo a jornalista Patricia Campos Melo, autora da reportagem sobre o uso do WhatsApp pela campanha de Bolsonaro, que foi muito atacada e teve a sua conta do aplicativo de mensagem invadida.

“Para ela é muito assustador, porque ela é uma mulher que tem filho pequeno e as pessoas falam as coisas mais terríveis que se pode imaginar.”

Após sua vitória no domingo, Bolsonaro disse que os grupos de mídia que espalham mentiras vão perder a publicidade do governo federal, que somou 1,8 bilhão de reais em 2017, incluindo anúncios de empresas estatais.

A TV Globo, que há muito tempo domina a mídia brasileira, disse em comunicado que as verbas publicitárias oriundas do governo federal representam, anualmente, em média menos de 4 por cento do faturamento da TV. A Folha disse que a publicidade do setor público é inferior a 5 por cento da receita.

OPORTUNIDADE

Ainda assim, muitos grupos menores de mídia abraçaram Bolsonaro com entrevistas amigáveis ​​e cobertura menos agressiva.

Isso alimentou as tensões em algumas veículos.

Na Rádio Guaíba, em Porto Alegre, o veterano radialista Juremir Machado saiu do estúdio no ar pelo que chamou de censura ao final de uma entrevista com Bolsonaro. Ele disse que não pode fazer perguntas e pediu demissão do programa.

Depois que o multimilionário e pastor Edir Macedo deu seu apoio a Bolsonaro, a TV Record aumentou a cobertura dos comícios de direita. Ele intensificou as críticas ao candidato de esquerda Fernando Haddad (PT) e publicou histórias de corrupção no Partido dos Trabalhadores, disse um ex-funcionário, que pediu anonimato por medo de retaliação.

O Grupo Record não respondeu a um pedido de comentário.

A TV Recorde causou surpresa três dias antes do primeiro turno, ao transmitir uma entrevista exclusiva com Bolsonaro no momento em que estava sendo realizado um debate com os candidatos à Presidência na TV Globo, ao qual o candidato do PSL se recusou a comparecer por motivos médicos. Naquela noite, o noticiário da TV Record teve sua melhor audiência do ano até o momento.

Outros veículos estão descobrindo que há uma audiência para uma cobertura mais agressiva. Dávila, editor da Folha, disse que nas últimas semanas o jornal viu um aumento nas assinaturas.

“Não foi algo que pedimos. Não foi uma campanha organizada pelo jornal”, disse Dávila.

“Foi uma campanha espontânea dos leitores nas redes sociais  ... dizendo o seguinte: ‘a Folha pratica jornalismo crítico, o Bolsonaro está atacando a Folha, eu vou assinar Folha em solidariedade.’]

Reportagem adicional de Brad Brooks

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below