November 21, 2018 / 7:15 PM / 22 days ago

Futuro ministro da Defesa diz que intervenção no RJ está alinhada para terminar neste ano

General Fernando Azevedo e Silva em Brasília 20/11/2018 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - O general da reserva do Exército Fernando Azevedo e Silva, que comandará o Ministério da Defesa no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro, disse nesta quarta-feira que o que está alinhado no momento é que a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro termina no final deste ano e que uma eventual permanência das Forças Armadas será estudada a partir de janeiro.

“O que está alinhado é a permanência das Forças até 31 de dezembro (no Rio de Janeiro). É o que está regulamentado”, disse o futuro ministro a jornalistas no Centro Cultural Banco do Brasil, sede do gabinete de transição para o futuro governo.

Ao ser lembrado que o governador eleito do Rio, Wilson Witzel, tem pedido a continuidade das tropas no Estado, Azevedo e Silva disse que existem dois caminhos para que elas continuem no Estado e que isso será estudado a partir de janeiro.

“Tem duas formas. A intervenção termina em 31 de dezembro, o que ele pode solicitar —e ele não solicitou ainda— é uma manutenção da GLO (garantia da lei e da ordem)”, disse.

“A partir de 1º de janeiro vamos estudar”, afirmou ele, quando indagado qual será a resposta se Witzel fizer a solicitação. “Vou entrar em uma fase de transição agora com o atual ministro da Defesa, general Silva e Luna, que está viajando.”

Na entrevista, Azevedo e Silva também anunciou que o general Edson Leal Pujol assumirá o comando do Exército no novo governo, enquanto o comando da Marinha ficará a cargo do almirante Ilques Barbosa Junior e a Força Aérea Brasileira (FAB) será comandada pelo brigadeiro Antonio Carlos Moretti Bermudez.

O futuro ministro disse ainda que está tomando pé da situação da pasta, mas que já tem conhecimento profundo do ministério por ter ocupado a função de chefe do Estado Maior das Forças Armadas. Ele afirmou que sua principal prioridade será a manutenção dos projetos das Forças que estão em andamento.

Reportagem de Ricardo Brito

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below