for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Montadoras de veículos se unem contra possíveis sobretaxas de Trump sobre importados

Presidente Donald Trump com líderes da indústria automobilística em Ypsilanti Township, Michigan 15/03/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

WASHINGTON (Reuters) - A indústria automobilística norte-americana pediu nesta segunda-feira ao presidente Donald Trump que não aplique tarifas sobre carros importados e autopeças, após o Departamento de Comércio dos EUA enviar um relatório confidencial à Casa Branca no domingo, com recomendações de como proceder.

Algumas organizações comerciais também criticaram o Departamento de Comércio por manter os detalhes do relatório envolto em sigilo, o que dificultará para a indústria reagir durante os próximos 90 dias que Trump terá para analisá-lo.

“O sigilo em torno do relatório só aumenta a incerteza e a preocupação em toda a indústria criadas pela ameaça de tarifas”, disse a Associação de Fabricantes de Motores e Equipamentos em comunicado, acrescentando que ficou “alarmada e desanimada”.

“É fundamental que nossa indústria tenha a oportunidade de revisar as recomendações e aconselhar a Casa Branca sobre como as tarifas propostas, se forem recomendadas, colocarão empregos em risco, impactarão consumidores e provocarão redução nos investimentos que podem nos atrasar em décadas”.

Representantes da Casa Branca e do Departamento de Comércio não puderam ser contatados imediatamente.

A indústria alertou que possíveis tarifas de até 25 por cento em milhões de carros e peças importadas adicionariam milhares de dólares aos custos dos veículos e potencialmente devastariam a economia dos EUA, além de provocar demissões.

Funcionários do governo disseram que as ameaças tarifárias nos automóveis são uma forma de obter concessões do Japão e da UE. No ano passado, Trump concordou em não impor tarifas desde que as negociações com os parceiros comerciais progredissem.

“Acreditamos que tarifas de importação maiores sobre produtos automotivos e a provável retaliação contra exportações de automóveis dos EUA minariam - em vez ajudar- a contribuição econômica e de emprego de Fiat Chrysler, Ford e General Motors para a economia dos EUA”, disse o ex-governador do Missouri Matt Blunt, presidente do American Automotive Policy Council.

Reportagem de David Shepardson e David Lawder

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up