February 26, 2019 / 9:26 PM / in 6 months

Estados e municípios também precisam da reforma da Previdência, diz secretário

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, ressaltou nesta terça-feira a importância da reforma da Previdência para melhorar as finanças de Estados e municípios.

REUTERS/Adriano Machado

Perguntado se vê espaço para mudanças no texto enviado à Câmara dos Deputados, Marinho explicou que todos sabem das dificuldades financeiras que os entes federativos enfrentam por conta da questão previdenciária.

“Todo temos consciência, tanto parlamentares quanto o governo, da fragilidade da situação econômica não só do governo federal, mas como dos governos estaduais e municipais”, disse, após reunião com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Presente à reunião, o presidente da FPA, deputado Alceu Moreira (MDB-RS), sinalizou apoio da bancada à aprovação da reforma.

“Eu não poderia precisar qualquer valor numérico... mas a frente parlamentar, conceitualmente, é a favor da reforma da Previdência. Por conseguinte, aqueles que estão associados e que têm o mesmo objetivo, nossa massacradora maioria votará conosco”, disse Alceu Moreira. A FPA conta com 233 parlamentares, sendo 32 senadores e 201 deputados.

O ministro da economia, Paulo Guedes, disse que o piso para a economia esperada com a reforma é de 1 trilhão de reais, sendo que a expectativa de economia do projeto em 10 anos é de 1,07 trilhão, o que não deixaria muito espaço para negociação.

Questionado sobre se as mudanças demandadas pelas bancadas da Câmara fariam com que a economia furasse esse limite, Marinho disse que não sabe, ressaltando que tem pedido aos parlamentares ficarem atentos a esse aspecto.

“O que nós estamos pedindo como governo ao Parlamento é que leve em consideração que qualquer modificação, qualquer modificação tem impacto fiscal e por via de consequência tem alguma situação que pode significar que menos recursos serão disponibilizados no futuro para ações essenciais que estão sendo demandadas pela sociedade”, disse após encontro com a bancada do PSDB na Câmara.

Marinho, ressaltou, no entanto, que os parlamentares têm autonomia para alterar o texto enviado.

“Nós sabemos que o Congresso tem autonomia e a competência para se debruçar sobre o projeto e fazer as alterações, os aperfeiçoamentos que ele achar adequado.”

Após extensa agenda nesta terça-feira de reuniões com parlamentares, Marinho explicou que “é uma escolha que o Parlamento fará”, apesar do risco de a economia com o texto ficar abaixo do desejado pela equipe econômica.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below