May 28, 2019 / 5:30 PM / 5 months ago

Petrobras foca armazenagem na China para vender a refinarias privadas

CINGAPURA (Reuters) - A Petrobras está embarcando petróleo durante junho e julho para armazenamento na China visando responder mais rapidamente à demanda das refinarias independentes do país, disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

REUTERS/Sergio Moraes

A China é o maior importador de petróleo do mundo, contando com uma demanda de seus refinadores independentes, conhecidos como “teapots”, situados na província oriental de Shandong.

Já a Petrobras está buscando mercados para o aumento da produção de petróleo do pré-sal e espera expandir sua participação na China, onde o Brasil foi o quinto maior fornecedor no primeiro trimestre de 2019.

O armazenamento do petróleo permitirá que a Petrobras venda parcelas menores de petróleo para entrega imediata às refinarias “teapots”, responsáveis ​​por cerca de um quinto da demanda de importação da China, e expanda sua base de clientes para além da refinaria estatal China Petroleum and Chemical Corp, ou Sinopec, disseram as fontes.

“A idéia de armazenamento é vender pequenas parcelas e ser mais competitiva neste mercado. O principal é ter petróleo a qualquer momento”, disse uma das fontes, acrescentando que isso permitirá que a Petrobras reaja à demanda imediata.

A Petrobras fechou um acordo com a Qingdao Port International em dezembro para alugar tanques de armazenamento que podem armazenar cerca de 2 milhões de barris de petróleo, segundo fontes e reportagens da mídia na época.

Para abastecer esses tanques, a Petrobras fretou o grande navio petroleiro VLCC Maran Cleo, que deve chegar a Qingdao em 24 de junho.

O VLCC contém 2 milhões de barris de petróleo do campo de Lula.

Outro VLCC com petróleo exportado pela Petrobras chegará entre os dias 10 e 15 de julho para armazenamento em Qingdao, contendo cerca de 1 milhão de barris de óleo de Búzios.

As fontes recusaram-se a ser nomeadas porque não estavam autorizadas a falar com a mídia. A Petrobras não respondeu a um pedido de comentário.    A Qingdao Port International não foi encontrada para comentar.    Os prêmios spot do petróleo brasileiro de Lula entregue à China em agosto subiram para um recorde de mais de 4,50 dólares o barril frente ao índice de referência global Brent, o quinto mês de ganhos, disseram várias fontes do comércio.

Os preços subiram depois que as sanções dos EUA contra a Venezuela levaram a uma maior demanda por petróleo bruto brasileiro nos Estados Unidos e com uma quedas nas exportações angolanas e no fornecimento de petróleo russo à Europa.

Um executivo do setor na cidade de Dongying em Shandong disse: “Compramos petróleo brasileiro muitas vezes, pois é um bom substituto para todos os tipos de petróleo angolano”.

Atualmente, a menor carga que a Petrobras pode entregar para a China é de 1 milhão de barris em petroleiro Suezmax, e manter o petróleo armazenado permitirá à empresa a venda de cargas de 300.000 ou 500.000 barris, disseram as fontes.

“É menos estressante do que pegar um Suezmax. Mas o preço é um grande problema, já que o mercado está em ‘backwardation’ e se a Petrobras precisar cobrir os custos de armazenamento, o petróleo será muito caro”, disse um trader de refinaria chinesa.

Ele estava se referindo à atual estrutura de mercado para futuros de petróleo Brent, onde os preços imediatos estão mais altos do que os de datas posteriores, significando que a Petrobras terá que cobrar mais para compensar o declínio do valor do petróleo ao longo do tempo.

Reportagem de Florence Tan e Chen Aizhu em Singapura; reportagem adicional de Gram Slattery no Rio de Janeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below