June 1, 2019 / 2:36 PM / 6 months ago

Papa pede que húngaros e romenos deixem conflitos para trás

MIERCUREA-CIUC, Romênia (Reuters) - O Papa Francisco pediu a húngaros e romenos técnicos para colocarem o passado conturbado para trás ao falar durante sua visita a Romênia, antes do mau tempo interromper sua visita à Transilvânia, forçando-o a ser levado durante horas por estradas sinuosas nas montanhas.

Mais de 80 mil pessoas se reuniram em encostas cheias de lama ao redor de um dos santuários católicos mais populares da Romênia para ver o papa no segundo dia de sua visita ao país.

A Transilvânia, que era parte do Império Austro-Húngaro até o final da Primeira Guerra Mundial, tem uma grande população de húngaros étnicos e tem havido tensões entre húngaros e romenos.

Os húngaros étnicos, muitos dos quais são católicos em um país predominantemente cristão ortodoxo, são a maior minoria na Romênia, cerca de 6 por cento da população. Isso tem gerado atritos entre os dois vizinhos da União Europeia, com as tensões aumentando ocasionalmente por conta do uso público de bandeiras da minoria étnica.

Em seu sermão à uma multidão encharcada pela chuva, que incluía o presidente húngaro Janos Ader, o papa sugeriu que os problemas do passado não deveriam ser uma barreira à co-existência.

“Situações complicadas e cheias de sofrimento do passado não devem ser esquecidas ou negadas, mas também não devem ser um obstáculo ou uma desculpa no caminho do nosso desejo de viver juntos como irmãos e irmãs”, disse ele.

Em sua homilia, Francisco disse que Deus quer “que nós não nos deixemos ser roubados de nosso amor fraterno por àquelas vozes e mágoas que provocam divisão e fragmentação.”

Francisco deveria ter voado de avião de Bucareste à cidade de Bacau e então de helicóptero ao santuário de Sumuleu-Ciuc, na cidade aninhada entre as montanhas.

No entanto, tempestades, nuvens baixas e a chuva o forçaram a voar para a cidade de Targu Mures, do outro lado das montanhas do Cárpatos, e ser levado de carro até o local do sermão.

De lá, Francisco deveria seguir de helicóptero para a cidade de Iasi, para visitar os católicos na remota região de Moldova, perto da fronteira com a antiga República da Moldova, da União Soviética.

Autoridades do Vaticano disseram, no entanto, que ele seria levado de carro de volta à Targu Mures e que voaria de avião até Iasi antes de retornar à Bucareste.

O primeiro ministro húngaro Viktor Orban visitou a Transilvânia muitas vezes de maneira privada para se encontrar com líderes húngaros locais e delinear suas visões políticas.

Em 2015, a Romênia o repreendeu por postar em sua página do Facebook símbolos que, dizem, sugerem que Budapeste favorece a autonomia para o território romeno, povoado principalmente por húngaros étnicos, chamando tal “revisionismo” de inaceitável.

Reportagem adicional de Radu-Sorin Marinas em Bucareste

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below