4 de Outubro de 2013 / às 00:22 / em 4 anos

Maioria dos ministros do TSE rejeita criação de partido de Marina Silva

BRASÍLIA, 3 Out (Reuters) - A maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu negar, nesta quinta-feira, o pedido de registro da Rede Sustentabilidade, partido que a ex-senadora Marina Silva tentava criar para concorrer ao Planalto em 2014.

Para cinco dos sete ministros do TSE que já votaram, a Rede não obteve as 492 mil assinaturas de apoio válidas necessárias para sua criação.

O resultado ainda pode ser alterado até a proclamação do resultado, caso algum dos ministros que votou contra a concessão de registro mude de ideia, mas essa possibilidade é remota.

“A contabilização... aponta para o não atingimento do quantitativo previsto em lei”, disse a relatora do processo, ministra Laurita Vaz, acrescentando que rejeita o pedido no momento, mas que nada impede o partido de tentar novo registro assim que tiver as assinaturas necessárias.

“Para essas eleições (de 2014), eu voto pelo indeferimento.”

Acompanharam a relatora os ministros João Otávio de Noronha, Henrique Neves, Luciana Lóssio e Marco Aurélio Mello. Para a Justiça Eleitoral, foram certificadas cerca de 442 mil assinaturas.

A negativa, a dois dias do prazo final para a criação de novas legendas e trocas partidárias visando as eleições do ano que vem, joga um balde de água fria nas pretensões da ex-senadora, que desejava criar um novo modelo de partido político.

Segunda colocada nas recentes pesquisas de intenção de voto para presidente em 2014, Marina tem até sábado para filiar-se a outra legenda. Ela, no entanto, afirmou diversas vezes que não tinha um “plano B” para o caso de a Rede ter o registro negado.

Entre as alternativas da ex-senadora estão o PEN, partido que já ofereceu inclusive mudar seu nome para Rede e dar a presidência nacional para Marina; o PPS, que viu frustrada nesta semana sua tentativa de filiar o tucano José Serra para disputar o Palácio do Planalto; e o PV, partido pelo qual Marina disputou a Presidência em 2010, ficando com quase 20 milhões de votos.

A decisão da ex-senadora deve ser aguardada com ansiedade pelos atores políticos até sábado, e uma eventual decisão de não se filiar a outro partido deve ter grande impacto no cenário eleitoral do ano que vem.

“A candidatura da Marina é muito importante para definir as estratégias partidárias. Dificulta bastante a continuidade da velha polarização entre PT e PSDB, que domina as campanhas presidenciais desde 1994”, disse o analista da Tendências Consultoria Integrada Rafael Cortez.

“A presença da Marina fortaleceria bastante a ideia de segundo turno”, acrescentou.

Reportagem de Maria Carolina Marcello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below