August 28, 2014 / 3:13 PM / in 4 years

Platts Kingsman reduz estimativa para safra de cana do centro-sul do Brasil

LONDRES (Reuters) - A consultoria Platts Kingsman reduziu sua previsão para a safra de cana-de-açúcar do centro-sul do Brasil em 7 milhões de toneladas, para 568 milhões, devido aos efeitos da seca prolongada no país e a baixas produtividades, embora a estimativa ainda esteja acima da realizada pelas próprias usinas.

Os números da Platts Kingsman fornecidos para a Reuters mostram uma estabilidade na produção de açúcar em 2014/15 em 32,87 milhões de toneladas.

O mix de produção deverá ser de 44,8 por cento de cana indo para a produção de açúcar, ante 45 por cento na previsão anterior.

A empresa fornecedora de dados havia feito sua última estimativa em junho, quando chuvas eram esperadas para os meses seguintes. No entanto, o tempo ficou mais seco que o esperado, apesar de chuvas esparsas em julho.

“Apesar de o total de cana processada até o final de julho ser maior que ano passado, a produtividade agrícola está muito abaixo, devido à seca”, avaliou a Platts Kingsman em seu relatório.

“A produtividade média de 2013/14 ficou perto de 79-80 toneladas de cana por hectare, enquanto este ano esperamos um índice perto de 72-73 toneladas/hectare.”

Segundo dados da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) divulgados na terça-feira, a moagem de cana do centro-sul do Brasil em 2014/15 deverá ficar em 545,9 milhões de toneladas, ante 580 milhões de sua previsão de abril.

A produção de etanol na região deverá ficar em 24 bilhões de litros, 6,14 por cento menos que em 2013/14, enquanto a de açúcar cairá 8,6 por cento, para 31,36 milhões de toneladas, previu a Unica.

A Platts Kingsman disse que as produtividades têm sido fracas e que deverão ficar assim até o final da safra.

As produtividades agrícolas tendem a cair à medida que a temporada aproxima-se do final.

O analista sênior da Platts Kingsman Claudiu Covrig disse que as especulações do mercado sobre a possibilidade de um encerramento abrupto da moagem não é uma certeza, apesar das baixas produtividades.

“Ainda acreditamos que haverá um número importante de usinas moendo em outubro, reduzindo gradualmente a atividade até novembro”, afirmou.

“Agora que entramos na segunda metade da temporada, a cana em muitas áreas ainda está pouco desenvolvida e alguns contatos acreditam que as usinas podem preferir deixar a cana em pé”, disse o relatório da Platts Kingsman.

Algumas estimativas apontam para até 20 milhões de toneladas de cana sendo deixada no campo para a próxima temporada.

“Neste ponto, e considerando as dificuldades financeiras enfrentadas por muitas usinas, nós ainda acreditamos que as usinas irão tentar moer o máximo possível, para diluir custos”, disse a consultoria.

Por David Brough

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below