January 13, 2015 / 7:03 PM / 4 years ago

PMDB convoca reunião de cúpula para evitar dissidências e reforçar apoio a Renan e Cunha

BRASÍLIA (Reuters) - Para evitar dissidências nas bancadas do Congresso Nacional, o PMDB convocou uma reunião da Comissão Executiva do partido, na quarta-feira, para orientar deputados e senadores a apoiar os candidatos oficiais da legenda na disputa pelas presidências do Senado e da Câmara dos Deputados.

   A cúpula do partido quer reforçar as candidaturas do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), para seguir presidindo o Senado, e do líder da bancada, Eduardo Cunha (RJ), para presidir a Câmara.

A definição oficial da Executiva do PMDB ocorre num momento em que os partidos de oposição no Senado tentam dividir a bancada para evitar que Renan seja reeleito.

O senador alagoano ainda não anunciou oficialmente que pretende disputar a reeleição, mas a tendência é que a bancada de senadores peemedebistas se reúna na próxima semana para oficializar sua candidatura.

   Na Câmara, o problema não é a oposição, mas sim o PT, que tenta rachar a bancada peemedebista para enfraquecer a candidatura de Cunha e ajudar o candidato petista ao comando da Casa, deputado Arlindo Chinaglia (SP).

   A reunião foi convocada nesta terça-feira pelo vice-presidente da República e presidente do PMDB, Michel Temer, após uma reunião com Cunha, Calheiros, o senador José Sarney (PMDB-AP), o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, e o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (RN), segundo uma fonte do partido.

   Antes de acertar a convocação da Executiva, Temer comunicou a decisão aos ministros da Casa Civil, Aloiozio Mercadante, Pepe Vargas (Relações Institucionais), e Ricardo Berzoini (Comunicações), que compõem o núcleo decisório mais próximo da presidente Dilma Rousseff.

   Segundo essa fonte da legenda, que falou sob condição de anonimato, no encontro Temer informou ainda que para evitar sequelas após a eleição das Mesas do Congresso, o governo deveria evitar movimentos políticos no sentido de desequilibrar o jogo a favor de outras candidaturas.

   A maior preocupação é com a disputa na Câmara, onde PT e PMDB, principais partidos da base aliada de Dilma, se enfrentam pela presidência. Há temor entre os peemedebistas que o governo use cargos de segundo e terceiro escalão para impulsionar a candidatura de Chinaglia contra Cunha.

   Nessa reunião, segundo a fonte, o governo indicou que esses instrumentos não serão usados para desequilibrar a disputa.

Por Jeferson Ribeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below